Iniciativas da sociedade civil impulsionam avanços na luta contra o câncer no Brasil

Total Idade
Nov 1, 2018 · 4 min read
Image for post
Image for post

União entre a sociedade, organizações não governamentais, mercado privado e sistema público de saúde melhora a realidade de quem convive com a doença, contribuindo para aprimoramento de políticas públicas.

Receber o diagnóstico de um tumor é uma das situações mais difíceis que uma pessoa pode enfrentar na vida. Essa notícia, muitas vezes, passa por uma longa jornada no sistema de saúde — desde o atendimento inicial até a busca por um tratamento. O Instituto Nacional de Câncer (INCA), estima para o Brasil, biênio 2018–2019, a ocorrência de 600 mil casos novos de câncer, anuais. Para um sistema público de saúde como o nosso, que se propõe a atender um País de dimensões continentais, com 208,5 milhões de habitantes espalhados por regiões extremamente diferentes, o enfrentamento da doença também é um desafio de iguais proporções. Frente a isso, a união entre diversos atores da sociedade tem um papel importante na busca por uma estrutura mais eficiente.

Um exemplo é a atuação de organizações não governamentais que apresentam conquistas expressivas pelos direitos dos pacientes à saúde. “Essas instituições estão fazendo um trabalho de formiguinha incrível. Aprendemos com elas que os médicos também podem se mobilizar e que existem muitos caminhos para isso”, diz Gilberto Amorim, oncologista do Rio de Janeiro, membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, do Conselho Científico da Femama e do Instituto Oncoguia, e consultivo da Fundação Laço Rosa, uma das instituições que luta para mudar a realidade do câncer de mama no Brasil.

Há anos a Femama (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama), uma associação
civil sem fins econômicos, que reúne 74 ONGs, busca ampliar o acesso ágil ao diagnóstico e tratamento para todas as
brasileiras. Seu papel é debater avanços necessários nas políticas públicas, levar educação em saúde à sociedade e tornar a realidade das mulheres com câncer e suas batalhas conhecidas. “Nesta edição do Outubro Rosa criamos o #MAMAtch!, uma rede social que conecta doentes, familiares, ONGs, profissionais de saúde e pessoas interessadas na causa para compartilhar informações, trocar experiências e oferecer amparo a quem está passando por este problema”, conta a mastologista Maira Caleffi, fundadora e presidente da Femama. A entidade se destaca também na luta em prol da lei dos 60 dias, sancionada em 2012. “Ela determina que o paciente oncológico receba o tratamento até 60 dias após o diagnóstico”, explica Maira. Segundo a especialista, a proposta é válida, mas ainda são necessários ajustes para que ela funcione da maneira como deveria.

Image for post
Image for post

Com foco em melhorar a organização e a agilidade das filas de atendimento para consultas, exames e tratamentos, uma iniciativa que merece destaque é o projeto de lei conhecido como Waze da Saúde. Ele foi elaborado pelo Instituto Oncoguia, uma ONG que se dedica a fazer com que as pessoas com câncer vivam melhor, além de educar e defender os seus direitos, monitorando as políticas públicas, na garantia de que elas sejam mais eficazes. “Nosso objetivo, com o projeto, é acabar com a apreensão dos pacientes, que não recebiam informações sobre os prazos desses atendimentos, e deixar a organização das filas mais transparente”, conta a psico-oncologista Luciana Holtz de C.Barros, fundadora do Instituto.

A lógica do aplicativo de celular foi utilizada para estabelecer que assim que o indivíduo receber a indicação de uma consulta, exame ou procedimento, saia da unidade de saúde com um protocolo informando local, data e horário para a realização. Além disso, os gestores de saúde devem divulgar as filas de espera, sem identificar quem faz parte delas. Desse modo, permite-se o acompanhamento por parte da sociedade, evitando que haja uma quebra injustificada na sua ordem.

Parcerias bem-sucedidas

Ainda no campo de políticas públicas na oncologia, outro destaque é o trabalho conduzido pela Associação
Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale), que tem como propósito ampliar o acesso aos tratamentos corretos e melhorar os desfechos dos procedimentos para os cânceres de sangue no Brasil. E o diálogo tem sido o caminho. “Para que isso aconteça, é crucial ter o envolvimento da sociedade com os gestores públicos, responsáveis pela regulamentação e pelo controle da saúde no País. Para o governo é importante saber como as necessidades dos pacientes estão sendo atendidas e, para nós, interessa que as suas decisões levem em conta o que será melhor para esses indivíduos”, diz Merula Steagall, presidente da Abrale.

“Nossa proposta é a defesa de direitos dessas pessoas, educação, inclusive para médicos e profissionais da saúde, coleta, organização e monitoramento de dados. Nossos projetos buscam resolver questões que de fato são importantes para os indivíduos e o propósito coletivo”. Todas as mobilizações realizadas pelas entidades têm rendido ótimos frutos e feito escola, inclusive entre profissionais da saúde. “Com a ajuda destas organizações, conseguimos ter acesso a particularidades dos locais onde elas atuam, que muitas vezes não são notadas em nível nacional, e aprendemos o caminho das pedras para fazer as solicitaçõesserem ouvidas”, acredita o oncologista Gilberto Amorim.

Originally published at Totalidade.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch

Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore

Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store