Tudo fica melhor em Rockabilly

Eu confesso: sou péssimo para descobrir coisas novas no mundo da música. Seja por preguiça ou apego às músicas (velhas) que ouço, geralmente tomo conhecimento — e gosto — por algum hit quando este já está, digamos, há uns cinco anos no mercado e naturalmente já foi atropelado pela avalanche da indústria cultural do universo pop.

Todas as minhas playlists do Spotify são privadas. Não é protecionismo barato. É uma forma de evitar constrangimentos e manifestações do tipo cara você ainda ouve isso? Pois é. Até quando estou enjoado das mesmas velhas músicas, mantenho a preguiça de garimpar coisas novas (ou não tão novas) por aí.

Em raros momentos outsider, tento pegar carona nas playlists do próprio Spotify. Foi numa dessas, pesquisando sobre Rockabilly, que achei uma playlist aleatória sobre o tema e dei o play. Ao contrário de outras situações, a primeira música me pegou de jeito. Excelentes vozes, incríveis arranjos e uma letra que, embora piegas, combinava com o conjunto.

Resolvi pesquisar quem eram The Baseballs, mais por curiosidade de saber se eram uma autêntica banda rockabilly dos anos 50 nascida e criada nos Estados Unidos ou uma imitação moderninha. A curiosidade matou o gato: trata-se, na verdade, de uma banda alemã (!) surgida em 2007 e que ganhou fama internacional por regravar hits da música pop na versão rockabilly.

A música que me pegou e cuja letra considerei piegas é, na verdade, Bleeding Love, de Leona Lewis — um hit justamente de 2007, quando The Baseballs formou-se em Berlim. Se tivesse ouvido a versão original, na época, dificilmente gostaria. Mas a versão rockabilly… ah, essa versão!

Em 2009, os três integrantes Basti, Sam e Digger (os nomes originais são, respectivamente, Sebastian Raetzel, Sven Budja e Rüdiger Brans, na ordem das imagens acima) lançaram o primeiro álbum Strike. O single daquele ano foi Bleeding Love.

No ano seguinte, em 2010, uma coluna ligada à revista Época tratou sobre The Baseballs e apontou que “algumas das músicas funcionam melhor nas versões rockabilly do que outras”. Você deverá concordar, por exemplo, que tal afirmação é verdadeira ao ouvir Poker Face, de Lady Gaga, na versão The Baseballs. Nem de longe tem o charme de Bleeding Love ou de Angels, de Robbie Williams. Ou de This Love, do Maroom 5.

Agora dê licença que tenho uma nova candidata a loop infinito.

The Baseballs
Site oficial: http://thebaseballs.com/
Facebook: https://www.facebook.com/thebaseballs/
Twitter: https://twitter.com/thebaseballs

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.