Conversa de botas batidas

Em uma conversa casual hoje com um colega de trabalho, ele disse-me que eu sou cabeça fechada, mais precisamente, fez um gesto com as mãos mostrando o tamanho da minha cabeça e complementou dizendo que eu era “uma pessoa que acredita em tudo que dizem, que não pesquisa nada e que não entende de política”. Política, sim, estávamos falando de política.

Como nas maiorias das conversas atuais sobre política, havia, de ambas as partes, um certo nível de arrogância. Chegamos nesse ponto, quando eu dei risada abertamente da candidatura do Bolsonaro à presidência da Câmara, a qual falhou miseravelmente com seus míseros quatro votos. E nesse ponto ele começou a procurar motivos que justificassem esse desempenho, ignorando, conscientemente ou não, a razão mais óbvia, a saber, ninguém quer o Bolsonaro no controle da Câmara, nem mesmo os seus colegas de partido. Bem, prosseguindo com a conversa que se resumia a ele falar e eu rir, chegamos ao impecheament da Dilma. Não falarei sobre esse assunto, por não ter nada a agregar nessa velha discussão.

Prosseguindo mais um pouco com a conversa, chegamos à Cuba. Cuba, sim, eu falei da qualidade da educação e saúde cubanas, ele disse “vai pra Cuba”, enfim.

Este texto deveria ter começado com um final, um final onde há apenas ad hominem, arrogância e desdém. Não adiantaria nada eu tentar refutá-lo, ele viria com vários outros ataques pessoais que não levaria a lugar nenhum, então eu fiquei me perguntando: ainda é válido discutir sobre algum assunto com alguém que não tem o mínimo de preparo intelectual para fazê-lo com qualidade?

Pois, como vemos diariamente, debater com qualquer pessoa sobre algum assunto, na grande maioria das vezes, não leva a lugar nenhum. Por que gastar tempo com esta pantomima?

Penso que para manter uma conversa razoável, é imprescindível que as pessoas estejam no mesmo nível intelectual. E não, não me entendam errado, quando falo nível intelectual, isto está excluindo classe social, racial e qualquer outra bobagem, porque isso não afeta em nada a qualidade de um debate, mas a intelectualidade sim.

Era apenas isso que eu tinha para dizer, este texto foi meramente opinar Ivo e espontâneo, se você lê-lo algum dia e quiser debater sobre o que disse aqui, estarei a vontade.

Like what you read? Give Uelbert Alves a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.