nada disso existe

Todo os dias exigem um pacto novo
Exigem mais sangue e mais pulmão
Fazem dias que há bem menos cabeça
Só há mesmo coração

Mas foda-se
a Beleza nunca pediu explicação.
É grosseira e entra sem bater
bate sem sofrer
só não aguenta:
apanha e começa a chorar

E vivemos por isso
Vivemos para isso
Nossa existência
gira em torno desses momentos
e agora
para nada há explicação

Nada disso nunca existiu
Tudo é criado
Mas foda-se
de que importa

Like what you read? Give Victor Dourado Alves Reis a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.