A primeira meta da sua independência é ser independente

Assim que começamos a trabalhar e ter os nossos salários, independente de pagarmos a nossa propria faculdade ou não, os planos para usufruir do salário começam: comprar um carro, uma moto, aquele aparelho de som moderno, um smartphone, um apartamento, etc. Tudo isso está muito de acordo com o que é socialmente esperado ou até mesmo esperado como resultado dos enormes investimentos em propaganda feitos por grandes empresas na TV. Mas será que estes caminhos (o socialmente esperado e o incentivado pela propaganda) são de fato os melhores caminhos para nós?

Assim que conquistamos a nossa pseudo-independência-financeira, ou seja, o nosso salário, já nos deparamos com 2 aspectos de mercado que tocam profundamente as necessidades humanas básicas: facilidade de crédito e incentivo ao consumo. E, daí, começa a trajetória comum a muitos brasileiros: cartões de crédito, cheque especial, parcelamentos, bens de consumo cada vez mais caros, empréstimos, salário apertado, dívidas e mais dívidas. Independência?

O primeiro passo de todo brasileiro deveria ser alcançar a real independência financeira o quanto antes, principalmente quando ainda estão na casa dos pais. Claro que há exceções e muita gente precisa começar a trabalhar muito cedo. Mesmo assim, o conselho é o mesmo, guardadas as diferenças. Em vez de buscar rapidamente o crédito facilitado e correr atrás de bens que não servem para muito além de satisfazer vontades, procure guardar uma boa parcela do salário mensalmente desde cedo, em torno de 50% do salário, e privilegie compras à vista.

Criar este hábito o ajudará a criar uma poupança boa o suficiente para que, com o passar dos anos, você consiga usufruir de seu proprio rendimento e até diversificar. Isso o colocará em uma situação cada vez mais confortável em relação a obrigatoriedade de se manter em um determinado emprego, uma vez que você não se verá pressionado por inúmeras compras a prazo que ainda precisam ser pagas. Enfim, liberdade. E a real independência financeira.