Como ser criativo e vencer Hollywood

Não só de bons vlogs que vive o YouTube. Vez ou outra conseguimos encontrar coisas incríveis garimpando por lá e vemos que ainda existem grandes criadores de conteúdo no mundo.

O vídeo abaixo foi feito por um canal chamado Hello Denizen, que se propõe a fazer um tipo de humor diferente de muita coisa vista por aí. Veja o vídeo depois vamos para a discussão.

Esta semana o Youtube anunciou que irá transmitir a Copa Del Rey da Espanha por streaming pago.

A Liga Espanhola e a MediaPro, que comercializa os direitos televisivos do grupo, anunciaram a nova emissora e reforçaram a presença do esporte no streaming online.

O Netflix está investindo pesadamente em criação de conteúdo próprio e já causou uma certa agitação quando fez parceria com Adam Sandler para produzir uma paródia do novo filme do Tarantino, Hateful Eight. Minha opinião sobre o filme? Vai ser só mais um filme do Adan Sandler, entenda como quiser. Não estamos aqui para falar do novo filme dele.

Simplicidade e empatia, hoje, valem muito mais do que um galã da novela das oito

O ponto que quero levantar é que Hollywood pode estar com os dias contados. Tá, talvez não seja para tanto. Mas vamos lembrar que até pouco tempo atrás, criar filmes, produzir conteúdo em vídeo e distribuir esse conteúdo era para poucos e se hoje conseguimos ter uma infinidade de opções quando acessamos sites como o YouTube, Vimeo, entre outros, isso reflete diretamente na quantidade de criadores que temos espalhados pelo Brasil e pelo mundo.

O mundo afora está repleto de criadores e de criativos. Com a internet estamos dando asas a produtores de conteúdo que antes eram limitados pela porca capacidade da televisão de reconhecer esses talentos e hoje lutam para tê-los ao lado deles. Redes como o Vine, Snapchat e Instagram estão sendo invadidas por pessoas dispostas a desenvolverem um conteúdo autoral de ótima qualidade, chegando a competir com grandes canais de televisão em publicidade, ainda que muito mal e porcamente, já que os grandes pilares da publicidade ainda se mantém firmes na televisão, e com seus astros e estrelas produzidos milimetricamente em estúdio. Celebridades essas que estão perdendo força frente ao poder da internet.

Na contramão, temos as “celebridades” da internet. As ~webcelebridades~. Temos nelas pessoas simples, com sonhos próximos aos nossos, com rosto cheio de espinha, com gordurinhas localizadas e com vícios como os nossos. Diante disso, é muito mais fácil para o público começar a consumir a credibilidade destas celebridades e passar a dar muito mais poder a eles do que aos galãs de olhos azuis da televisão. A melhor parte é que a veia empreendedora desses produtores de conteúdo estão sendo postos à prova na mudança do online para o offline.

Muitas dessas ~webcelebridades~ estão conseguindo fazer a transição de mídia de forma muito competente. Enquanto vemos a Kefera lançando livro, divulgando sua peça e lotando casas de teatro, vemos também o Hugo Gloss sendo chamado para o “red carpet”cobrir eventos importantíssimos da cultura pop. Estamos vendo blogueiros e vlogueiros ganhando respeito e credibilidade tendo como bagagem apenas o que produzem na internet e arrastam milhões de fãs. A Kefera não precisou estar em uma novela da Globo para lotar a Bienal do livro. O Hugo Gloss não precisou ter um carimbo da televisão para virar amigo das celebridades e ganhar seu espaço na mídia.

Quando vemos a criatividade gerando frutos e com isso criando recursos, podemos ter certeza que a juventude tem conseguido se renovar no consumo de mídia e de publicidade, lógico. Enquanto vemos o tal “horário nobre” entrando em decadência, a Globo se arrisca a lançar o seu próprio serviço de streaming para começar a bater de frente com as grandes empresas do ramo e começar a receber uma fatia desse mercado bilionário.

Nós queremos super produções e sempre iremos ficar felizes quando House of Cards for lançado, mas também sabemos reconhecer o trabalho duro de uma menina que não tinha mais do que uma câmera, um quarto e uma ótima ideia na cabeça.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.