Ás De Copas.

Não, nunca joguei baralho bem, nem joguei jogo algum de uma forma suficientemente boa pra se dizer um jogador de alguma coisa, exceto por pedrinhas na água, embora que, nunca soube jogar pedrinhas, e sim pedras, pedras grandes e indelicadas, talvez refletindo parte de mim, quebrando a harmonia da superfície da água, sem afundar e saltitando, até a outra borda, ou até a força acabar.

Mas me encanta o baralho, admiro quando meus parentes se reúnem pra jogar, ou quando vejo meu pai sentado no sofá jogando torneios e mais torneios de Poker pela internet, ele sabe jogar, eu não, até arrisco, mas nunca soube jogar.

Embora que eu ame as imagens marcadas nas cartas do baralho, principalmente do…Ás De Copas.

Ok, devo parar de ser ridículo, afinal escrevi isso no título.

Nada me encanta mais que ver aquela carta, um grande coração vermelho ao centro, pensando que aquela carta reflete um pouco de mim, afinal, ela vale um, mas também vale treze. Ela é início e o fim, e eu quero acreditar que sou isso também.

Quero acreditar que aquele coração vermelho representa o início e fim de todos os amores que vivi, mesmo que sozinho, que mal há, além de perceber que o Tom Jobim está certo em grande parte do tempo.

Um grande coração.

E coração grande me encanta, mas me deixa triste por ver ele largado em meio a tantos jogos, assim como eu, então devo reclamar como se eu fosse o próprio Ás de Copas, não quero viver a vida em jogos de cartas marcadas, quero ter o valor reconhecido por alguém.

Algum bobo qualquer que acha que 1 ou 13 não é o valor do Ás de Copas, mas o valor é o coração, é carta vermelha, eu te dou valor que acredito que você vale.

O Valor do coração é aquilo que você próprio acredita que vale.


E não quero terminar esse texto além de dar esse recado pra qualquer um que se dispôs a ler esse texto, então, não pensem valer menos só pra poder entrar num jogo qualquer, a vida e o amor não precisam ser jogos onde ninguém reconhece seu valor, e quando não reconhecerem, mandem a pessoa à merda, é terapêutico, e aceitem o valor que vocês definem ao seu coração, devo parar aqui pra não acabar falando merda, vou parar aqui pra evitar mais merda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.