Morreu, Sufocado pelas Palavras que Nunca Disse

A maior dificuldade para a maioria das pessoas é ouvir. Ouvir o que os outros estão falando, ouvir o que os outros não estão falando, ouvir a natureza, ouvir a si mesmo, ouvir Deus!

Mas ao contrário da maioria, meu maior problema é falar!

Ouvir eu ouço! Consigo me concentrar em coisas que você está falando, em coisas que o seu corpo está falando. Não é uma questão simples e natural, mas se você parar um momento e prestar atenção vai conseguir compreender a fala do outro, é uma questão de hábito e prática.

Não sei se existe alguma inteligência associada a esta habilidade, acredito que sim. De qualquer forma, o meu grande desafio é falar!

Não é falar simplesmente, falar o tempo todo, falar sem pensar. É falar especificamente as coisas que precisam ser ditas. Sim, existem muitas coisas que falamos que não precisaríamos falar, coisa que não fazem sentido nenhum serem ditas, coisas que dizemos e que nunca deveríamos tê-las ditas. E dessas coisas eu sou mestre!

Agora as coisas que necessitam ser ditas, são aquelas que tem uma função, coisas que ao serem ditas aliviam a alma, aquietam o coração. Coisas essas que ao serem ditas nos conectam ao outro, e fazem ter sentido o que o outro tem a dizer. Como se fosse um complemento daquilo que o outro nos disse, mesmo que tenha nos dito sem palavras. As falas da nossa alma, nos conectam de tal modo ao outro ser humano que fazem com que uma experiência única e inerente ao ser humano seja possível; o relacionamento.

Se relacionar é ouvir, falar, se conectar e compartilhar. E juntos construir uma meta em comum na qual não será atingida jamais individualmente.

Então porque não consigo falar?

Sabendo de tudo isso, ainda assim, as palavras não chegam na minha boca! Parecem estar entaladas na minha alma, não consigo vomitá-las.

Será que o medo me faz fugir? Será que o medo de não serem compreendidas minhas palavras? O medo de não conseguir mais contê-las dentro de mim. Como se eu estivesse abrindo mão do meu “precioso”. Uma vez ditas as palavras não voltam mais atrás.

Será que me falta coragem? Coragem de encarar aquilo que tenho guardado dentro de mim? Coragem ver o que eu consigo gerar? Como pode sair alguma coisa de boa de alguém tão ruim?

Será que me importo tanto com o que o outro vai pensar de mim ao enxergar minha alma? Será que a imagem que estou transmitindo seria desmentida? O outro veria o quanto mentiroso eu sou?

Não sei! Preciso falar! Ou morrerei sufocado pelas minhas próprias palavras!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.