A dificuldade para comprar ingressos para o carnaval carioca

Créditos: http://umblogdenada.blogspot.com.br/2012/02/e-agora-foliao.html

Para a grande maioria, o carnaval é a época de esquecer qualquer problema e viver os quatro dias mais loucos do ano. Viagens e blocos de rua, tão simples de se fazer e se organizar, estão no topo das preferências nesse feriado. Mas, se você gosta de acompanhar o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro e quer fazer isso in loco, a situação é muito mais difícil.

A culpada é a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, conhecida como LIESA. O motivo é o arcaico sistema de vendas de ingressos, que tira a paciência e deixa desgostoso até o mais tranquilo dos foliões. Eu sou um deles pelo segundo ano consecutivo.

Ano passado, a diferença ao comprar ingressos para o carnaval de São Paulo e do Rio de Janeiro já tinha ficado evidente. Enquanto em SP bastava fazer o cadastro e fazer a compra online pelo site (algo muito comum hoje em dia e que, se a instituição tem o mínimo de reputação e preocupação com a própria marca, tem chance muito pequena de dar errado), o sistema carioca era tão complicado quanto ir do Leblon até a Baixada Fluminense pelos trens da SuperVia.

Créditos: Gabriel Barreira/G1)

É difícil até de resumir, mas tentarei. Primeiramente fora Temer, você deve fazer um pré-cadastro no próprio site da LIESA. Depois, deve ligar para os telefones descritos e torcer bastante para que a ligação seja prontamente atendida — o que não costuma acontecer, isso sem falar nos inúmeros telefone disponíveis pra cada localidade e desconto possível, o que aumenta a chance de uma confusão acontecer e você perder ainda mais tempo. Após a ligação, você ganha um número de pedido. Após alguns dias (!), um e-mail chega com a ordem do seu pedido (!!) que você deve pagar, mas que deve ser quitado exclusivamente na boca do caixa (!!!) de um banco Bradesco (!!!!) por meio de um depósito identificado (!!!!!). Pago, você ainda deve enviar o comprovante (!!!!!!) para o e-mail no qual você recebeu a ordem do pedido (!!!!!!!).

Acho que o comércio na virada do século XIX pro XX era assim, e é lastimável pensar que esse é o sistema pra se comprar ingressos pro que é considerado como o maior show da Terra — como diria o épico “É Hoje”, samba da União da Ilha do Governador de 1982.

(Créditos: Fábio Rossi/Agência O Globo)

Vamos recapitular:

São Paulo:

1) Cadastro no site
2) Compra no site
3) Retirada (presencial ou em casa — essa última opção foi introduzida nesse ano)

Rio de Janeiro:

Pré-cadastro no site da LIESA
2) Ligação
3) Chegada do número do pedido
4) Pagamento via depósito identificado
5) Envio do comprovante via e-mail

(Créditos: http://www.diariodosertao.com.br/noticias/cidades/99045/martinho-da-vila-volta-a-compor-samba-da-vila-isabel-apos-16-anos.html)

Não pense que a saga e a bizarrice acabaram. Você não recebe o ingresso, recebe um voucher em casa — e a opção de receber qualquer coisa que valha só está disponível esse ano. Ano passado, como eu não visitava a Sapucaí há sete anos, fui fazer a troca do pedido pelo ingresso (sim, você leu bem) prevendo uma fila imensa, mas logo fui atendido. Entrei no Sambódromo com uma hora e meia de antecedência, e lá fiquei morgando até o começo dos desfiles. Amadorismo e despreparo total. Um imenso desrespeito com o cliente-folião.

O mais surreal dessa história toda, porém, aconteceu assim que a ordem do meu pedido de 2017 chegou. Minha irmã, após quase quatro horas tentando ligar para o número indicado no site da LIESA, conseguiu fazer meu pedido na quarta-feira. O e-mail de pagamento chegou na sexta-feira, pouco antes do fim do horário comercial. O prazo para o pagamento era até a segunda-feira seguinte, sob pena de perda da reserva. Pior: após o envio do comprovante, a LIESA informou que não recebeu o meu e-mail. Mandei de novo, e tô na torcida para que nada tenha acontecido com a minha reserva.

(Créditos: Pedro Kirilos/O Globo)

A desculpa da LIESA para não vender ingressos online é a segurança. A LIGA-SP vende online desde 2013 e não me lembro de ler relatos com problemas na hora da venda — e olha que leio bastante a respeito de carnaval. Não tem motivo nenhum pra isso, simplesmente. Falta vontade e respeito, apenas.

Tenho esperança que, para o carnaval de 2018, a LIESA simplifique suas vendas. Se continuar assim, vai ser difícil dar e ter samba.