Ordem cronológica de alguns fatos pós-Golpe:

(Créditos: Andressa Anholete/AFP)
  • Em uma atitude que chocou pela ousadia e falta de respeito à democracia, senadores decidiram manter os direitos políticos de Dilma Rousseff após o Golpe. Pegos de surpresa, cada qual votou como bem entendeu — e, aí, o quórum foi insuficiente pra mais um Golpe, mostrando que eles bem sabiam que o impeachment foi uma farsa;
  • Dois dias depois do Golpe, algo chocante: os créditos suplementares (motivo pelo qual Dilma foi cassada) deixaram de ser crime.
  • O chefe do Golpe diz que não vai aceitar ser chamado de golpista e diz que quem é contra ele “são quarenta, cinquenta ou cem pessoas”;
  • Protestos ocorreram TODOS OS DIAS depois do Golpe e a imprensa fala apenas que eles atrapalharam a vida dos cidadãos e as imagens de black blocs vandalizando;
  • Hoje, cerca de CEM MIL PESSOAS estiveram na Paulista protestando contra Temer;
  • O G1 diz que o protesto tinha cem mil pessoas e ocupou três quarteirões da Paulista; enquanto os protestos a favor do impeachment reuniram milhões (segundo o G1, novamente) e ocupavam a avenida inteira. Matemática confusa essa;
  • A Folha, apoiadora até dizer chega dos Golpes de 1964 e 2016, foi clara até dizer chega no tweet aba (e, se ela disse isso, olha…);
(Créditos: Reprodução)
  • Não vi a Globo nem ninguém derrubando a programação de hoje, com protesto já marcado — como foi nos dias em que tivemos grandes manifestações pró-impeachment e no dia em que o processo passou na Câmara;
  • O protesto, aliás, chegou a ser vetado pelo Governo de SP (capitaneado por Geraldo Alckmin, que também teve pedaladas fiscais e os casos Alstom e das merendas em seu currículo);
  • O protesto, pacífico, foi encerrado pelos organizadores;
  • Sem mais nem menos, a PM-SP (uma das piores instituições do Brasil quando falamos de ideologia, falta de transparência e corrupção) começa a jogar bombas em quem ainda estava no Largo da Batata, e isso inclui jogar bombas em ÔNIBUS;
  • A PM-SP prendeu vinte e sete jovens com a suspeita de serem black blocs. Tudo isso sem nenhuma acusação formal e sem dar a eles acesso a advogados;
  • E VOCÊ VEM ME DIZER QUE NÃO FOI GOLPE?