Brazil.js, a visão de um marinheiro de primeira viagem

Essa é a primeira vez que eu vou escrever sobre um evento, provavelmente esse texto ficará uma bosta, mas vou escrever mesmo assim….

Eu sempre ouvi como o Brazil.js é um ótimo evento, mas nunca tinha ido. Esse ano eu fui e vou falar sobre as coisas que eu gostei aqui. As que eu não gostei vou refletir um pouco mais se são implicâncias minhas ou se valem a pena serem enviadas para a organização.

O evento foi transmitido pelo Terra e acredito que será disponibilizado para ser assistido depois, vale a pena procurar para assistir depois!

1 — O local.

1300 pessoas. Excluindo o Campus Party, esse foi o maior evento que eu já fui! O local comportou todo mundo, apesar de ter sido difícil andar durante o Coffee Break, ninguém ficou por cima de ninguém para assistir as palestras.

2 — A trilha sonora

Metallica, Guns n’ Roses e outra banda que não lembro, Nirvana talvez? Tocando entre as palestras. Boa escolha e ajudou a deixar o público animado no intervalo entre as palestras, além da banda Crime Scene ter tocado no encerramento do evento. Os caras são muito bons!

3 — Os palestrantes

Focando bastante em diversidade, palestraram homens, mulheres, brasileiros, colombianos e americanos. Houveram palestras em Português, “Portunhol” e Inglês. Destaco a palestra do Julían Duque que tocou o que eu imagino ser uma música folclórica colombiana!

4 — O conteúdo

Eu dividi esse tópico porque ele merece destaque. Tivemos robôs com Nodebots, outra forma de criar e organizar logs, introdução a métodos não tão conhecidos, o criador da linguagem falando sobre os “WTFSJ”, ciência da computação na prática…. Houveram algumas palestras que no meio delas eu não consegui mais prestar atenção porque nunca estudei compiladores, foi bom ver que eu preciso tirar um tempo para estudar isso.

5 — Networking

Revi amigos, conheci outros devs, tive uma ótima conversa sobre como a Marvel está melhorando a representatividade nos quadrinhos… O tipo de conversa profissional ou não que é sempre sadia e deveria ser feita com mais frequência.

Esse post provavelmente disse mais do mesmo, mas eu queria deixar registrado como esse final de semana foi produtivo e desejo muito que mais iniciativas como essa aconteçam regionalmente e que a comunidade continue sempre se movendo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.