Cinco coisas boas de 2015

Bem, que o ano não foi lá isso tudo você já leu por aí. Aliás, você passou o ano lendo sobre isso: Guerras, corrupção, intolerância… Nada muito diferente dos outros anos, mas parece que dessa vez soubemos de mais coisas assim, porém também houveram coisas boas: Começamos a discutir mais sobre inclusão social, nos importamos mais com política e os avanços tecnológicos foram incríveis! Vendo esse lado bom no ano, a Thayanne Porto lançou o desafio de listar 5 coisas que eu achei boas. Apesar do desafio ter começado no Facebook, eu preferi listar aqui para não se perder. Aviso que essa lista será mais sobre mim do que o mundo.

Shows

Esse foi o melhor ano nesse sentido. Assisti artistas que nunca imaginei que fosse assistir aqui e de estilos que nunca achei que fosse gostar, como Lindsey Stirling e Flow.

Todos os ingressos desse ano

Viagens

Uma das metas desse ano era de viajar mais, meta que falhei miseravelmente até Agosto, mês em que fui para Porto Alegre participar do meu primeiro Brazil.js.

Alguns dos desenvolvedores daqui do Rio de Janeiro e um amigo de Manaus que fizemos.

Esse é o tipo de evento que eu recomendo que todos que trabalham com web vão, mas eu vou escrever sobre eventos outro dia. Pulei Setembro de Outubro a Dezembro eu fui a uma cidade diferente por mês. Lugares próximos da minha cidade, mas que eu não vou com muita frequência ou que nunca tinha ido.

Quero manter esse ritmo, eu sempre ouvi que viajar é bom, mas não tinha sentido isso até esse ano.


Focar mais na minha área profissional

Eu sempre fui muito relaxado com meus estudos, mas consegui mudar isso na reta final desse ano.

Comecei o MBA, me matriculei em cursos, li mais livros, perdi o medo de aprender novos conceitos…. Mudança que só terá efeitos nos próximos meses, mas que precisava de um passo inicial que foi dado nesse ano.


Aceitar novas ideologias e pensar mais

Tudo bem que isso começou em 2013, mas esse ano foi decisivo para nortear minha postura perante alguns assuntos que eu ignorava ou dizia que não era meu problema ou mesmo não enxergava como um problema, um deles foi política.

Não serei candidato de nenhum partido, nem pretendo, mas consegui entender melhor como funciona o país, quem eu não quero liderando ele e quais regimes eu não quero que fiquem.


Começar a entender quem é quem e como eu devo me portar diante disso.

Essa ainda está difícil de aceitar, mas eu comecei a ver que algumas pessoas não precisam estar na minha vida. Sempre fui daqueles que queria ser aceito por todos e ter o máximo possível de amigos, mas eu comecei a entender que não há espaço para todos e que eu só posso deixar entrar na minha vida aqueles que me aceitam como sou e também fazem questão que eu esteja por perto. Sabe aquele lance de só eu correr atrás pra saber como fulano está? Aquela história de você aparecer só pra me dizer todos os seus problemas e nunca perguntar como eu estou? Não mais.

E se você ler esse texto, antes de me dizer que eu sumi, procure no histórico a última vez que você começou uma conversa comigo ;)

Não vou dizer que os erros estão só nos outros. Esse ano eu conheci muita gente legal e não fiz por onde para tê-los por perto. Vou mudar isso no próximo ano, podem anotar!


Espero que você também tenha tido bons momentos nesse ano e que possamos melhorar a nossa vida para o ano que vem! :D