Os Escombros De Um Sonho

Há um paraíso empoeirado em minha mente
Harpas e hinos esquecidos nublam tudo à frente
Olhos rasos e passos perdidos 
Corações frágeis sempre são partidos?
Deve haver sentido... estamos todos perdidos
Teu tom púrpura costumava ser abrigo...
Hoje nubla o céu, esconde o sol
Amarga o mel e enterra a paz que vivíamos em prol
Hoje tudo é nada, tudo é vazio
O farol que nos iluminava, está tão sombrio…
Os anjos caíram! Todos se rebelaram 
Pelo seio duma mãe que eles amaram
Abandono... Eu vejo o desprezo
Conte-me, traidor, qual era teu desejo?
Há um paraíso em ruínas
Com sangue em suas vielas, cadáveres em suas esquinas
Há angústia no coração dos servos
E o salvador nos fez sentir a dor dos pregos
A sombra se ergue em nosso castelo 
Império de dor; aliança quebrada; fel lançado no elo
Não há família! Não há perdão!
Não há temor! Há somente o vão...
Há um paraíso dentro de meu crânio aflito
Perdido da realidade ele ousa tentar fazer sentido
Inspirando o intocável, desejando o inexistente
Ah. Havia um paraíso bem à minha frente...