PRECISAMOS FALAR SOBRE THEODORE FINCH

Para quem me conhece, ou me segue no Twitter, já deve estar cansado de me ouvir falar dessa tal pessoa que nem existe de verdade. Um simples personagem criado por uma autora que quis falar sobre um assunto tabu, mas que cativou muitos corações com sua personalidade frágil, porém fantástica.

Chamado de Theodore, Theo, ou até mesmo Finch, ele tem várias personalidades que mudam de acordo com seu humor. Em um capítulo você se depara com um Finch dos anos 80 e em outro ele já é o cara britânico e descolado. O fato é, apesar de impressionar muitos leitores com sua incrível habilidade de ser várias pessoas em uma; as pessoas da sua escola não o acham assim tão legal.

Theodore Finch poderia ser apenas mais um personagem fictício no meio de vários outros, porém ele se destaca como o melhor de todos. Ele não é o cara popular do colégio, não tem o melhor carro, nem faz parte da melhor família; e é exatamente por isso que ele passa a ser a estrela brilhante na calçada da fama da literatura.

Theodore Finch sofre com vários problemas. A depressão, a bipolaridade, o transtorno de personalidade ao tentar se encontrar em um grupo e ser aceito em um mar de adolescentes cheios de hormônios. Mas, ainda assim, ele continua sendo a pessoa que é.

Ao conhecer Violet, seu mundo deixa de ser aquele tal cinza nebuloso e passa a ser uma espécie de arco-íris de uma única cor com várias tonalidades.

Talvez você nem goste dele tanto assim. Talvez você ache que eu esteja exagerando, mas não tente negar. Theodore Finch encantou seu coração, porém o partiu em pedaços nas últimas páginas (isso não é um spoiler, entenda como quiser) ao tomar um decisão que não foi uma das mais agradáveis.

Theodore Finch não é uma aberração. Theodore Finch é um herói incompreendido.

Ele conseguiu salvar Violet de pular do parapeito, mas ninguém pôde impedi-lo de se afogar em si mesmo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.