517 ANOS — Luta ou sobrevivência?

Abril é sem dúvida um mês importante para as populações indígenas do Brasil. Mais que comemoração, historicamente é um mês de luta e resistência.


Diversas comunidades promovem encontros com o objetivo de mostrar ao restante da sociedade brasileira a realidade vivida pela grande maioria dos povos indígenas: separados, deslocados e estereotipados.

Consideramos os indígenas como um grupo que vivem à margem de nossas vidas, como alguém preso no passado e deslocado da realidade. Esse é um dos caminhos para a construção dos estereótipos que são utilizados para mantê-los cada vez mais marginalizados.

E como forma de desconstruir isso, a Aldeia Tekoá Paranapuã, localizada dentro do Parque Estadual Xixová Japuí, na cidade de São Vicente (litoral de São Paulo, BR), organizou uma série de atividades para que a sociedade pudesse conhecer a realidade local e a cultura da aldeia.

O fato é que a ajuda é necessária, sob vários aspectos. Existem iniciativas que estão em andamento, como a criação de banheiro seco e práticas de Permacultura, bem como ações assistencialistas emergenciais com alimentos e medicamentos. Infelizmente outros assuntos são urgentes também, como a questão da demarcação, resíduos e a sustentabilidade da aldeia pelos próprios indígenas.

Para começar, podemos assumir que eles existem.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.