Ele tinha medo de que ela flutuasse por outra energia, tanto que usava da própria reserva para poder compensar cada lacuna da dela.

Easy, of course! Enquanto os dois estavam inteiros. Enquanto os dois se mantinham em pé por sí mesmos, isso era apenas um detalhe que fazia tudo mais doce.

Mas do céu, foram ao inferno juntos e ao mesmo tempo sozinhos. Cada um por seus motivos que no fim, viraram o motivo de ambos.

Ao invés de puxarem a corda para o mesmo lado, brincaram de cabo de guerra e a corda arrebentou. Não há um vencedor.

Ele decidiu ir embora enquanto ela tentava remendar a corda dizendo "Hey, olha, é só não puxar forte dessa vez!" e ele apenas respondeu "A corda é feita de remendos, não há espaço para mais este".

No meio dos remendos ela se perdeu tentando concertar, já não flutua nesse espaço, flutua por várias outras energias. Vazias. Mas no fim flutua sozinha, ainda em círculos aos remendos, mesmo sabendo que já não há mais cola ou linha que resolva, ela ainda pensa em tentar. ̶ ̶Q̶u̶e̶m̶ ̶s̶a̶b̶e̶ ̶u̶m̶ ̶r̶e̶m̶e̶n̶d̶o̶ ̶n̶ã̶o̶ ̶d̶e̶i̶x̶a̶ ̶m̶a̶i̶s̶ ̶f̶o̶r̶t̶e̶?̶. Já ele, flutuou pra tão longe sem nem ao menos olhar pra trás, se esquecendo de que no fim, um era a energia do outro.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.