2017

Pode parecer loucura, mas sou dessas pessoas que acreditam que a virada do ano pode ser muito significativa para o resto dele. Recapitulando 2016, ele começou de cabeça pra baixo e não teve aquele ritual de virada, aquela festa e tudo mais… foi na correria e vários contra-tempos, assim como foi o ano todo. O ano mais complicado e cheio de pedras no caminho, mas também o ano que me fez me conhecer melhor e crescer. Se fosse ano passado, estaria só reclamando e falando como foi péssimo tudo, mas eu quis mudar esse ano. Quero fazer mudanças drásticas no meu comportamento e meu jeito de pensar, e tudo isso foi por causa dos ensinamentos que 2016 me deu – não de forma fácil e fofa, mas nada que seja realmente importante vem de mão beijada pra gente – e eu agradeço bastante porque estava precisando de um 360 graus na minha vida. Já 2017 começou organizado – meio em cima da hora, mas conseguimos – e na praia com a família e depois comemoração com os amigos, sem o namorado mas teve mensagem fofa depois da virada, pode ser bem ridículo falar assim todos esses detalhes mas a importância deles faz uma diferença muito significante. O pacote também incluiu pular onda e pedir todas as melhorias e ajudas para um novo recomeço, uma nova vida – que para mim pode se dizer assim porque teve muitos momentos que pensei muitas vezes em simplesmente desistir em 2016 e agradeço por não fazer nada – e um novo eu.

Uma das coisas que resolvi mudar foi o fato de colocar todos os meus pensamentos e sentimentos para fora de uma forma mais saudável e menos autodestrutiva, e uma delas foi escrever aqui como também voltar a compor e tocar piano. Eu sou uma pessoa movida a música, tudo que eu olho consigo enxergar uma melodia já composta ou não para tal coisa, pode ser doença ou vício mas meu mundo fica melhor com música e o deixei muito tempo sem tê-la. Outra coisa que está no topo das mudanças são os meus pensamentos, que estarão sempre querendo e vendo o melhor em tudo, inclusive em mim – o que será mais difícil que tudo –, e excluir totalmente minha autodepreciação.

Sempre acreditei que uma das coisas que mais lhe afetam são as pessoas ao seu redor e mais do que nunca, quero me cercar das pessoas que me amam e querem meu bem. Aqueles que me trazem pensamentos bons, sentimentos alegres e que me fazem querer crescer interiormente cada vez mais.

Eu sei que este papo está muito alto astral e deve ter algo de errado nisso, mas não há. Eu, finalmente, quero ser feliz e estar em paz comigo e com tudo que rodeia.

Estou conseguindo ter conversas maduras com minha mãe, minha ligação está – não sei como é possível aumentar, mas só aumenta – mais elevada com meus irmãos, estou tentando lidar com a doença da minha avó, meu pai está começando a ser presente na minha vida diretamente. Meus amigos não ficam sem meu sinal de vida mais de 2 dias, meu namorado está do meu lado sempre. E pode ser infantilidade, mas isso faz com que você seja uma pessoa melhor.

Engraçado falar sobre felicidade ao seu redor agora, sendo abraçada pelo seu namorado que está dormindo. Mais engraçado é ele não ter a menor noção de como só ouvir a respiração dele me acalma.

A coisa mais importante para 2017 é minha PAZ, eu faria o impossível para tê-la todos os dias. E posso ser criança no quesito de saber como lidar com responsabilidades, mas irei atrás da minha independência, minha vida, meu trabalho, minha tranquilidade espiritual e financeira. E sempre que começarei a ter dúvidas de mim mesma ou disso, ficarei vindo ler este texto para lembrar-me: VOCÊ NÃO IRÁ DESISTIR, VOCÊ É CAPAZ DE SE AMAR APESAR DE TUDO ISSO QUE ACONTECEU. Talvez essa seja a maior lição que aprendi até agora, mesmo sendo muito nova para falar tal coisa… eu sei que tenho minha bagagem e que sem ela, não estaria aqui.

Eu só peço força de vontade para ter o que eu mais quero no mundo: não desistir de tudo e ter paz.

Like what you read? Give w. a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.