one

Podia falar de todas as coisas que estão passando ou acontecendo na minha vida — como falei na publicação anterior de algumas, tipo aprender a me amar e me priorizar — , mas a questão dessa vez é outra. Parece até coisa de seriado americano, a guria acha o cara bonitinho — e esse cara não fala com ninguém, é na dele e não tem nada haver com a guria — e ele nem sabe que ela existe, até que…

 Ela se esbarrou nele, as coisas dela caíram no chão e quando eles se olharam sentiram a paixão que os dois escondiam a tanto tempo de si e finalmente se apaixonaram.

ISSO, GRAÇAS A DEUS/ALA/TODOS OS DEUSES, É MENTIRA! É uma das coisas que eu mais gosto de fazer, zoeras e etc, o que às vezes pode dar um pouco de raiva nas pessoas, mas enfim.

A real história é: eu sempre o achei bonito e me intrigava o jeito dele — por ser tão diferente de todos que eu convivia ou conhecia — , ele começou a prestar atenção em mim quando soube que eu tocava piano, ele percebeu que gostava de mim quando eu estava mais bêbada que tudo, eu tentei fugir do sentimento que crescia em mim, ele não desistiu de mim, eu queria me entregar a ele mas ainda tinha medo, ele não desistiu de mim de novo, quando eu percebi já estava apaixonada por ele e — SPOILER: ele acabou de falar comigo aqui e sem querer sorrir ,é sempre assim: eu penso em falar ou sei lá com ele e ele fala, louco né? Ou talvez eu seja a louca da história, só isso, enfim — ele não desistiu de mim ainda.

Eu poderia muito bem dizer que somos melosos e bregas por falarmos que parece uns 4 anos e não 4 meses que estamos juntos, mas isso é uma opinião de todos que sabem como nós somos um com o outro. Passamos quase 100% do tempo juntos, ele vive na minha casa quase, ele sabe tudo de mim e eu tenho quase certeza que sei de tudo dele — drama queen não saí de mim — , ficar em silêncio ou conversando com ele, realmente não faz diferença porque não tem aquele momento awkward. Ele foi o meu primeiro eu te amo, eu fui a primeira dele, ele é o amor da minha vida e eu o dele.

Estou sendo um tanto quanto — muito — brega, eu sei. A questão é que ele é único pra mim. O único que conseguiu compreender e não ter medo dos meus demônios, o único que consegue me tirar dos surtos… Uma vez falei pra ele que ele foi o único que conseguiu segurar a minha onda interior, o que agora vejo que me enganei… ele foi o único que me fez segura-la, que me fez entender que eu sou a única que posso conter tudo que tenho por dentro e posso viver em paz com a onda. Ele é o meu único.

Normalmente eu falaria que estaria surpresa por escrever essas coisas e tal, mas eu já estou me acostumando que eu tenho esse lado em mim e não é uma coisa ruim. Obviamente, ainda tenho meu jeito estranho de mostrar isso no dia a dia ou até aqui né? O que importa é que eu consegui libertar a única parte da minha vida que eu controlava: o amor. Posso falar bem alto e claro que estou ficando livre em todas as partes da minha vida e isso me dá um alívio enorme. Escutei tantas vezes desde o começo que todos estavam preocupados para eu não machuca-lo, que fiquei com um medo horrível de fazer algo de ruim para ele. Mas estou percebendo aos poucos que consigo faze-lo feliz e bem tanto quanto ele me faz e ninguém sabe como isso torna tudo mais leve.

Não somos um casal normal, na realidade somos um casal muito estranho e anormal… mas a imensidão de felicidade que trazemos um ao outro faz com que eu me sinta no meio de um oceano sozinha, me trás paz como quando eu estou tocando piano, me faz me sentir bem comigo mesma, me faz me sentir eu mesma.

E ele descobriu esse medium, eu fiquei furiosa, mas depois percebi que não precisava ficar… não temos frescuras de falar tudo um pro outro. Talvez ele veja isso por si só ou talvez eu mande pra ele — por ser mais fácil ele não estar do meu lado vendo isso — ,a real é que ele irá ler isso e só tenho um recado pra você: oi, p3st3.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.