Seu emprego é ruim e não tem futuro? Não tem condições de pagar uma faculdade? Vem comigo ser um desenvolvedor.

Nada de “eu não consigo, eu não tenho talento”. Você só precisa de um computador, internet e muita força de vontade.

Se você tiver um laptop pode preferir um mouse, mas é totalmente opcional — Shutterstock Image

Você pode ser jovem ou vovô. Já se sentiu perdido profissionalmente? Se sente ainda? Talvez eu (e toda uma comunidade!) possa te ajudar.

Houve uma época na minha vida na qual eu não tinha ideia do que fazer. Recebi a oferta de trabalhar como secretária mas o trabalho era realmente administrar o estoque de uma loja através de um programa de computador. O salário era bem baixo, mas com alguma economia e com uma ajuda extra dos meus pais, fui capaz de comprar meu primeiro computador. Isso aconteceu no final de 2009.

Quase oito anos se passaram e hoje recebo um bom salário, com excelentes benefícios e carga horária justa. Meu emprego é empolgante e sei que, desde que eu nunca pare de evoluir, sempre terei vaga no mercado, inclusive no exterior. Sou desenvolvedora front-end.

“Hã?” — você pode ter se perguntado.

Vamos por partes.

Desenvolvedor é aquele que desenvolve coisas. Óbvio, né? Em nosso mundo moderninho, existem vários tipos de desenvolvedores. Alguns desenvolvem só aplicativos para celular, outros somente sites, vários fazem os dois e vários cuidam somente de partes específicas de um ou outro.

Graças às tecnologias atuais, um desenvolvedor front-end é bastante completo, conseguindo trabalhar com sites e aplicativos de diversas maneiras, mas sua especialização costuma ser em sites.

Um desenvolvedor front-end precisa, antes de mais nada, saber como transformar uma imagem (geralmente criada por um designer) em um site com o básico de funcionalidade. E ele faz isso através de códigos.

Exemplo básico de desenvolvimento front-end

“Legal, Andrea, mas o que isso tem a ver comigo?”

Bem, você leu a parte sobre bom salário e sempre ter vagas no mercado, certo? E meu salário só é bom porque eu não tive foco algum nos meus primeiros anos da área. Se não fosse esse detalhe, meu salário seria incrível.

Eu quero que mais pessoas no mundo tenham salários bons e incríveis. Eu quero que você tenha. Então eu proponho que entre nessa aventura: Vem comigo ser um desenvolvedor.

Vou escrever um guia por semana e a gente vai colocar a mão na massa. Você vai aprender teoria e prática e rapidinho terá seu próprio portfólio — sites que você fez com seu próprio código, para mostrar em entrevistas e assim iniciar sua nova carreira.

A jornada vai ser fácil? Não. Mas talvez não seja tão difícil quanto você pensa. E eu não vou mentir, talvez seu primeiro trabalho nessa área seja um pouco ruim. O meu foi. Mas não tem problema, porque você vai adquirir uma experiência que é difícil de conseguir quando a gente só estuda e pratica em casa. Pense nos seus primeiros trabalhos como um curso intensivo no qual você é pago. Não parece legal assim?

“Pera, trabalhar como desenvolvedor? Mas eu não tenho dinheiro/tempo/talento. Não vou conseguir.”

Algo bem legal dessa área é que você consegue ganhar bem e ser respeitado como profissional mesmo sem faculdade. Conheço vários colegas que são exemplo. Você só vai precisar desembolsar dinheiro nesse momento se não tiver computador em casa. Acredito que seja possível praticar desenvolvimento em celulares e tablets, mas verificar isso e me aprofundar na questão o suficiente para ensiná-la me tiraria do foco principal aqui.

Se a sua desculpa é tempo, pense de novo. Vamos praticar em casa, então qualquer uma hora por semana que você puder deixar disponível já ajuda. Claro, idealmente você estudará mais do que isso, mas é um começo e é melhor do que nada. Talvez você possa acordar um pouco mais cedo toda terça feira? Ou dormir mais tarde aos domingos? Estamos falando do seu futuro. Se você não tem tempo para construir um futuro melhor agora, quando terá?

Ninguém nasceu digitando. Eu comprei meu primeiro computador em 2009, faltando poucos meses para completar 20 anos. Eu não estava velha, mas sabia que muitos na área haviam crescido com computador e internet e isso me desestimulava. Eu não era tão boa quanto meus colegas de faculdade e culpava esse fator. Hoje eu sei que, desde que você tenha foco, fará grandes saltos de conhecimento em poucos meses. Meu objetivo é te ajudar nesse foco.

Quanto mais cedo você começar, melhor, mas isso não significa que hoje seja tarde demais. Talvez você venha a detestar código, talvez ache tudo um tédio e conclua que não é pra você. Se isso vier a acontecer, pare um pouco e analise: Você realmente acha chato? Ou acha difícil? Pois há uma diferença, e se está difícil, fica mais fácil a cada horinha que você pratica. Todo desenvolvedor já viveu isso. Todo mesmo.

Contando somente conteúdo em português, existem provavelmente centenas de artigos e séries internet afora explicando passo-a-passo como ser um desenvolvedor. Você pode usá-los como apoio para o guia que eu escrevo, ou pode decidir que não vai com minha cara e ignorar meus artigos de agora em diante. Mas fique sabendo que a comunidade de desenvolvedores (mesmo os que não são front-end) é incrível. Você encontra muita ajuda para resolver os problemas e dúvidas que surgem no caminho. Então fique tranquilo: você não estará sozinho.

Já que existem tantas séries por aí, eu queria que a minha tivesse um diferencial. Desenvolvimento pode ser intenso, especialmente no começo. Existem muitas coisas para se aprender, com graus de utilidade e dificuldade variadas, e alguns nomes realmente assustam. Vejo isso como uma barreira para os iniciantes, que olham a longa lista de palavras em inglês e pensam: Caramba, que complicado, eu não tenho ideia do que seja nada disso. Claramente não é pra mim.

Quero fazer aqui um guia bastante amigável, para que mesmo que você tenha pouca experiência com computadores, tenha a confiança de que pode, sim, ser um desenvolvedor. Vou cortar tudo que não interessa a princípio e começar realmente do mais básico. Se você achar que estou indo muito rápido, ou que falei algo técnico demais, me interrompa! Reclame nos comentários. Não desista.

Clique aqui para ler a próxima parte quando estiver pronto para começar a desenvolver!

#VemComigoSerDesenvolvedor

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.