O que a esquerda precisa para se manter é perpetuar a miséria…

Como querer romper a lógica do capitalismo e explicar aos que nada tem, vivendo e sendo capitalista e agindo burguesamente? Como defender a revolução do proletário esfomeado, quando se esbalda no caviar da mensalidade do papai?

A esquerda defende a mitologia e lógica da pobreza e da favela porque sem ela, a esquerda não tem função. Ela não quer melhorar a vida do pobre, pois sem essa massa esfomeada seu centro de poder desaparece, a miséria e sua continuidade são necessárias para ela existir.

Imagine se a miséria acabar, que papel terão os intelectuais da esquerda? Como farão suas fortunas sustentadas pela culpa dos demais? Não há esquerdismo possível que não seja burguês em origem, meios e fatos.

Marx é o exemplo clássico do burguês teórico que nunca sujou as mãos no trabalho, mas imaginou como era trabalhar, e assim construiu sua teoria. E essa escola tem sido seguida à risca por milhares de seus seguidores de sofá.

E as duas ideias, uma elite intelectual “progressista” que não sabe o que é ser pobre, mas imagina, e a necessidade de haver miséria, se unem em todos os regimes socialistas que nasceram no mundo e hoje são colocados dentro daquela sacola de “Não era o verdadeiro socialismo/comunismo”….. sabe, aquela sacolinha que tem todos os países que implementaram o socialismo…

E deram errado!