Eu não sei escrever impeachment

Provavelmente nossos parlamentares também não, mas as semelhanças terminam aí. Não tratarei nesse texto feito às pressas do que penso sobre o assunto, preciso antes colocar para fora algumas coisas. Entre elas: falar em Deus, família, contra a corrupção e pela pátria deve mesmo render voto. Também soube, um pouco surpreso, que o governo Dilma e Lula foi uma ditadura esquerdopata gayzista comunista destruidora dos valores que balizam nossa sociedade.

Não. Não mesmo. Esse governo engavetou o quanto pôde qualquer projeto voltado a minorias e o motivo parece estar claro agora, se já não estava: o medo do conservadorismo. Prefiro não falar do voto conservador ou das forças conservadoras, afinal, me parece um discurso tão oco quanto circunstancial. A melhor definição seria: mediocridade. Poderia ser hipocrisia, mas essa impõe algum grau de contradição e temo que estejamos em um plano raso, sem maiores dimensões ou complexidade.

Quem defendeu o impedimento da Dilma é medíocre pelo simples fato de saber que não vai resolver nada, absolutamente nada tirá-la do poder. Assim como falar em ir atrás dos outros dois soa como uma piada se não fosse trágico. O debate público ovaciona Bolsonaro e execra Jean Wyllys. Vi homens brancos de meia idade gritando mais alto para mulheres e fazendo cara de compenetrados para os seus pares masculinos. As palavras vazias sobre valores pretensamente fortes encheram horas de tela para nada.

A minha sensação hoje é essa: um misto de ausência de sentido com nojo desse lugar comum político, social, sobretudo nosso. Não estamos separados em uma casta eleita iluminada. Admiti a minha falta por não saber escrever o nome do processo que corre contra a presidente justamente por essa razão: temos um problema, todos nós temos. A banalidade estupida daquele congresso, em suas justificativas mal encenadas e desacreditadas, é nossa. É a mesma de quando alguém pergunta o que você acha da ciclovia da sua rua e você responde qualquer coisa sem pensar. Ou de quando perguntam por que você compartilhou a notícia falsa no facebook, sem ler.

Não é fácil, dá trabalho, enche o saco. Mas, ou nós começamos a pensar e a provocar os outros a isso ou não adianta boas escolas (estudei com gente que saiu das melhores possíveis e se anestesia todos os dias), palavras de ordem grudentas, líderes carismáticos e projetos de país bonitos. Como sabemos hoje, igualmente não adianta vencer eleições ou somente ir para a rua.

Desculpem o desabafo, porém meu sono hoje será mais tranquilo depois dele.
Boa noite.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.