O que é upcycling e qual a sua relação com as embalagens?

Até um tempo atrás, transformar materiais que seriam descartados em algo novo era tarefa quase que exclusiva de artistas e artesãos. Hoje, grandes marcas estão se interessando em dar novos (e inteligentes) destinos àquilo que as pessoas não querem mais.

Essa prática de transformar materiais em produtos úteis ganhou, inclusive, nome e importância no mercado. É o upcycling, que vem chamando a atenção do setor de embalagens e de empresas que procuram investir em tendências ainda mais sustentáveis. Continue lendo e entenda!

Upcycling e economia circular

Em função da crescente demanda por marcas com práticas menos nocivas ao meio ambiente, o upcycling aparece como uma alternativa criativa à reciclagem. A ideia, no entanto, não é tão recente assim: surgiu na década de 1990 e vem sendo mais falada em função das novas tecnologias disponíveis.

No upcycling, o objeto é reaproveitado em sua função ou transformado em outro produto ainda melhor, sem intervenções químicas e a um custo mais baixo. O objetivo é, justamente, dar uma nova forma aos itens, aprimorá-los (dar um “up”), mantendo suas propriedades originais.

Hoje, são vários os tipos de materiais que conseguem ser reaproveitados para criar algo novo. Além do plástico e do papel, as empresas já estão usando caixas, CD’s e até mesmo restos de cigarro para fazer roupas (foto acima), móveis, perfumes e embalagens que não deixam nada a desejar em qualidade e durabilidade. Dessa maneira, o consumo de novas matérias-primas durante a criação de produtos diminui, assim como o consumo de energia e água necessários nesse processo.

O interessante é que, com tantas possibilidades, não estamos tão distantes de atingir um círculo virtuoso de produção e consumo, no qual os resíduos são vistos como insumos, e não como lixo. Essa é a ideia de uma economia circular, bastante comentada em um contexto de preocupação e atenção com o desenvolvimento sustentável.

O exemplo da Reciclapac

No setor das embalagens, uma forma interessante de investir no upcycling está sendo praticada pela Reciclapac. A empresa, que é associada da ABRE, surgiu a partir de uma ideia que seu CEO, Rogério Junqueira, teve ainda na época em que trabalhava como Gerente de Exportações de uma organização do setor automobilístico. Notando o grande desperdício das embalagens utilizadas no transporte das peças, ele decidiu encontrar uma solução para reaproveitar as caixas de madeira e papelão. Foi daí que nasceu a Reciclapac.

Com o objetivo de estender o ciclo de vida desses materiais por meio do upcycling, a empresa desenvolveu uma solução para reutilizar as caixas em larga escala. Fazendo ajustes técnicos e estéticos nas peças, eles conseguiram chegar a um resultado eficiente e, logo no primeiro projeto, reduziram o descarte total de embalagens em 70%, gerando uma economia de R$ 950 mil para a MWM, uma fabricante de motores à diesel.

Após o projeto, a Reciclapac desenvolveu seu primeiro produto patenteado: a “Embalagem Retornável Compacta”. Sem parafusos ou pregos e com alta capacidade de carga e usabilidade, a embalagem pode ser aproveitada mais de 20 vezes no transporte, reduzindo o custo e os resíduos dos materiais.

Demanda por produtos de upcycling

Vamos pensar juntos: mesmo que todo o descarte do mundo fosse transformado em novos produtos ou tivesse sua vida prolongada, não existiria demanda capaz de dar vazão a tudo isso. Existe uma tendência natural de desequilíbrio nesta balança, já que, além dos produtos de upcycling, novas mercadorias são lançadas todos os dias.

Quer dizer então que é uma prática fadada ao fracasso? Nada disso! A ideia é exatamente aumentar a demanda por esses produtos, a fim de dar sempre mais um passo na direção de uma economia circular e virtuosa.

Mas, para isso, é fundamental que as empresas criem nos consumidores um senso de importância sobre os produtos reaproveitados. Primeiro, para que eles comecem a participar dessa cadeia, viabilizando a reutilização dos materiais — por meio do descarte correto dos resíduos, por exemplo. Segundo, para que eles se sintam mais motivados a comprar produtos upcycled, fazendo com que a ideia de “circulação” torne-se mais viável e ganhe força no mercado.

Upcycling e embalagens

Uma coisa é fato: cada vez mais as marcas estão se interessando pelo upcycling. Já é assim no setor de vestuário, de decoração e não está sendo diferente com o de embalagens. Por isso, mais do que nunca é fundamental estar atento às possibilidades de aumentar a vida útil dos materiais de forma eficiente, inteligente e criativa, o que é bom para o meio ambiente, para os consumidores e para o seu negócio.