o cobiçoso

Você era exatamente o que eu esperava.

Ali parado naquela estação, minha cabeça não parava. Era a primeira vez que eu conhecia alguém vindo do Tinder.

Você chegou. Encantei-me.

Naquela noite não conseguíamos parar de nos beijar. Isolamo-nos do resto.

Éramos você, eu, e várias budweisers.

Foram horas de beijos, carícias e risadas.

“Vamos sair daqui?” você disse.

Tentamos o primeiro. O segundo. E no terceiro entramos.

Você pagou.

No começo as coisas não deram certo, era minha primeira vez naquele lugar.

Acabou acontecendo.

Dormimos juntos naquela noite. Acordamos com o telefone.

Encontramo-nos novamente na mesma semana.

Paulista cheia. Eu esperei. Você estava lindo de social.

Beijos novamente. Almoçamos. Nos despedimos.

No final de semana saímos mais uma vez.

Eu havia me apaixonado. Não parava de pensar em você. De querer você.

Algo aconteceu. Esfriou.

Eu perguntei. Você disse que as coisas estavam rápidas demais.

Esfriei.

Dias. Semanas. Você me mandou mensagem.

Um convite.

Sua casa. Seus pais estavam viajando.

Eu fui.

Seus pais voltariam naquele dia.

Fomos rápidos. Pouca conversa.

Terminamos. Fui embora.

No bar bebi. Não estava conflituoso.

Uma despedida talvez.

Sim, foi isso. Acabou ali.

Conversamos mais uma vez no meu aniversário.

Falamos sobre sair novamente. Não aconteceu.

A gente se fala.

Já havia acabado.