O que estamos aprendendo?

Hoje eu recebi um e-mail de uma pessoa que não conheço, mas que com certeza é uma referência no mercado de internet/desenvolvimento. Diego Eis (se vc não sabe quem é ele, clica aqui, aqui, aqui e aqui).

No e-mail ele fala sobre coisas que o mercado considera “essencial” para o seu desenvolvimento, mas eu mesmo sempre me questionei pelo fato de estar aprendendo algo que eu sei que eu não vou usar no meu dia a dia.

Tudo bem que as vezes vc aprende uma coisa nova, vê uma utilidade nela e começa a usar a partir daí, mas na maioria dos casos, vc aprende um determinado assunto baseado em uma determinada demanda ou projeto.

No mais, o texto fala por si só, então nada mais claro e lindo do que mostrar o texto e ainda sim, aprender com ele…

“E aí, tudo certo?
Eu não sei Node. Eu não sei AngularJS. Eu não manjo de React. Eu sei que talvez você esteja surpreso. Mas eu não aprendo nada que eu não precise usar nos meus projetos pessoais ou no meu trabalho. São tantas tecnologias e ferramentas novas… que na boa… ou eu estudo, ou eu trabalho. A pergunta que eu me faço é: eu preciso aprender isso agora? Determinada tecnologia ou ferramentas é essencial para me manter no mercado?
Essas perguntas me mostram no que exatamente eu devo me focar. Eu não vou aprender uma nova tecnologia simplesmente por que todo mundo está falando por aí. Não estou dizendo que você precisa deixar de se dedicar a aprender coisas. Pelo contrário. A ideia é se focar no que vai te trazer mais benefícios e valores reais, tanto para sua profissão, quanto para o seu projeto. Isso pode significar que você precise aprender algo como NodeJS ou apenas um framework simples de CSS. Analise suas necessidades hoje, o que o trabalho requer de você e principalmente se determinado assunto vai realmente ser útil dali um tempo.
O que eu aprendi de novo nas últimas semanas? Testes de CSS usando comparação de imagens. Procure por Wraith ou Kobold, que você vai entender. Foi algo totalmente novo e principalmente útil para os meus projetos.
Né, não?
Diego”
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.