Design Ladder: como integrar o design à cultura da empresa?

Como sua empresa se utiliza do design? Para dar uma identidade única a sua marca? Melhor a apresentação dos seus produtos? Ou para promover inovação e agregar valor a sua empresa? Afinal, o design vai muito além do aprimorando visual da sua empresa. Nesse post, vamos que o design pode ser importante em diversas fases da sua empresa e vamos te ajudar a descobrir o quanto dessa ferramenta sua empresa está utilizando. Para isso, vamos usar um conceito dinamarquês do início dos anos 2000 que vem sendo cada vez mais utilizado em organizações de todo o mundo: o design ladder. Curioso? Continue lendo!

O que é design ladder?

Em 2001, o Danish Design Center (Centro de Design Dinamarquês) iniciou uma pesquisa para descobrir como o design vinha sendo utilizado dentro das empresas para gerar resultados. Depois de analisarem mais de 1.500 organizações de todos os portes, os pesquisadores conseguiram identificar quatro etapas do uso do design em ambientes corporativos e essas etapas pareciam suceder umas as outras de acordo com o grau de evolução da empresa. No primeiro degrau dessa escada, estariam as empresas que não fazem o uso consciente do design, seguido pelo degrau do design como estilo, depois o design como processo e, por fim, no topo da escadaria, o design como estratégia. A pesquisa revelou, ainda, que empresas que se encontram no último degrau tem maior retorno dos seus investimentos e os seus produtos possuem um valor agregado mais atrativo.


Ou seja, quando mais a empresa entende e se utiliza do design, mais lucrativa ela é. Para entendermos esse movimento, vamos falar sobre cada degrau do designer ladder, para que você entenda em qual passo a sua empresa está e o que ela deve fazer para evoluir.

1) O Não-Design

O primeiro degrau da escada é ocupado por empresas que não reconhecem no design em nenhuma etapa de seu processo produtivo. Mesmo ações referentes a funcionalidade ou estética dos produtos são tomadas e referendas por não-designers, ou seja, por amadores, e são tidas como escolhas secundárias, não relevantes e mesmo supérfluas.

2) Design como estilo

Essa costuma ser a porta de entrada de conceitos de design para as empresas. Agora, os designers são designados para atuarem ao final de projetos, em especial com fins estéticos, para o acabamento de produtos ou mesmo para acertos ergonômicos.

3) Design como processo

Aqui o design já é encarado como uma importante engrenagem da produção e é integrado já nos passos iniciais de qualquer projeto, combinado com as diversas outras áreas do negócio. Ou seja, o design é visto como uma ferramenta indispensável para a correta execução os planos da empresa,

4) Design como estratégia

Esse é o degrau mais alto do design ladder e está presente em empresas que enxergam no design uma importância chave na constante melhoria do negócio. Em geral, o design é utilizado para rever e criar novos processos de trabalho ou como um meio para se buscar a inovação constante. Nesse ponto, as empresas sempre buscam estar em contato com as novidades do mercado nessa área, e estão mais dispostas a absorver novos conhecimentos e utilizá-los para seu aperfeiçoamento constante.

Como avançar nessa escada?

A analogia criada pelos dinamarqueses não foi criada à toa: inserir o design como uma diferencial competitivo da sua empresa é um processo que demanda o avanço etapa por etapa. Ou seja, não dá para simplesmente pular degraus. No entanto, é possível fazer com esse avanço seja mais rápido, não traumático e com resultados efetivos a cada avanço de degrau.


Empresas que se encontram no primeiro degrau devem, a princípio, conhecer melhor a área. Para isso, vale a pena atos simples como pesquisas na internet até ações mais efetivas, como a participação em palestras, workshops e demais eventos voltados para o uso do design no ambiente do corporativo. Ou seja, aqui o importante é adquirir conhecimento, em especial sobre como procurar um designer ou agência de design e o que você pode esperar dessa área.

O segundo degrau é onde a grande maioria das empresas brasileiras se encontram. Como falamos, aqui o design entra em processos finais, em especial de acabamento e ajustes estéticos. Embora a participação do designer ainda seja pequena, ela já mostra a importância que a área pode ter para o seu negócio. Aqui, cabe aos gestores de projeto abrir espaço para que o responsável por esses ajustes estéticos tenha autonomia para sugerir mudanças, ajustes e melhorias nas demais partes do projeto. Ou seja, é preciso escutar os profissionais e entender que eles podem contribuir com as demais áreas da empresa. O sentido contrário também vale: o designer ou agência responsável deve entender todo o sentido do projeto para executar bem sua tarefa — ainda que seja apenas um ajuste estético, ou seja, deve ser inserida na cadeia de informação e aprendizado da empresa.

No terceiro degrau, designers já estão inseridos em toda cadeia produtiva da empresa e o seu negócio já se beneficia das vantagens que a área traz para o negócio, como a redução de custos de produção e uma melhoria da aceitação e saída dos seus produtos. Nesse ponto, todas as áreas da sua empresa entendem a importância do design e estão mais dispostas a atuarem em conjunto. Essa sinergia entre as áreas, claro, irá trazer mais agilidade e assertividade para os seus processos internos.

A passagem para o último degrau tende a ser a mais fluída e decisiva para o seu negócio. Sua empresa e colaboradores já entendem que o design é importante para o bom funcionamento de todo negócio e agora é preciso mostrar que essa ferramenta pode superar os benefícios corriqueiros do dia a dia. Aqui, o design poderá ser uma opção decisiva para que sua empresa sempre busque a inovação e a mudança consistente de paradigmas. Ou seja, a busca de soluções supera a ideia de resolução de problemas e passa a ser um vetor de mudanças profundas na empresa, que passa a ter como objetivo a ligação direta entre sua marca e os consumidores.


O que voltamos a frisar é que o design tem impacto profundo nas empresas e estar avançado no design ladder é uma maneira segura de trazer maiores retornos financeiros para a sua empresa, seja ela pequena, média ou de grande porte. Por isso, vale a pena fazer um investimento consistente nessa área e procurar parcerias sólidas para auxiliar a sua empresa a fazer do design um diferencial competitivo.

Você tem alguma dúvida sobre como o design pode fazer a diferença no seu negócio? Envie sua pergunta na nossa caixa de comentários!

http://conteudo.acdidesign.com.br/design-porque-as-marcas-investem-em-design