Pouso Alegre vai às ruas contra a Reforma da Previdência

Ato que reúne cerca de 2 mil manifestantes é invisibilizado pelas grandes mídias

Em Pouso Alegre, no dia 15 de março, os sindicatos de várias categorias profissionais, estudantes, movimentos sociais e trabalhadores saíram às ruas para manifestar sua insatisfação contra a reforma da previdência proposta pelo governo golpista de Michel Temer, em tramitação no Congresso Nacional.

A reforma prevê, entre outras medidas draconianas, idade mínima para aposentadoria de 65 anos para homens e mulheres. Num país com expectativa de vida que não passa dos 60 anos em suas regiões mais pobres e em que mulheres, além da atividade profissional, também precisam enfrentar mais uma jornada exaustiva de trabalhos domésticos, a idade mínima inviabilizará o acesso de muitos brasileiros a uma renda mínima na velhice.

Além disso, para receber os vencimentos integrais, o trabalhador brasileiro terá de completar 49 anos de contribuição ao INSS. Também há modificações na concessão de pensões, que poderão ser pagas com valores inferiores ao salário mínimo vigente. Enquanto isso, na proposta em deliberação, não consta nenhuma alteração na previdência dos militares e nos regimes próprios de muitas carreiras públicas privilegiadas, onde está o verdadeiro déficit da previdência. A conta sobrará para a população mais pobre e para a pequena classe média.

Vários trabalhadores, como os eletricitários e empregados dos correios compareceram à manifestação uniformizados. As faixas pediam a saída do presidente Michel Temer e continham palavras de ordem contra a reforma da previdência. Houve a presença de um grande número de jovens. Vários cidadãos discursaram no carro de som localizado durante o ato na praça senador José Bento, e em seguida, já no fim do dia, a manifestação seguiu até o fim da avenida Doutor Lisboa e aplaudida por muitos transeuntes durante o percurso.

Após a volta, um grupo de manifestantes ainda seguiu à Faculdade de Direito para protestar contra o atual Prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões. O protesto foi pacífico. Não houve o registro de nenhuma ocorrência durante o ato e foram estimados cerca de 2 mil participantes.

Ainda que com uma participação massiva do povo pouso alegrense, a EPTV Sul de Minas não esteve presente para fazer os registros do ato, o que indignou muito dos manifestantes. No quadro geral, as grandes mídias se mostram indiferentes aos atos de luta em todo o país, a prova disso são as coberturas quase irrelevantes dos protestos.