A retroalimentação da chatice

O mal do século não é a depressão ou a solidão, o mal do século é a chatice.

Existem inúmeros chatos, em qualquer lugar que você vá, eles estão se proliferando segundo a segundo…

Você sai na rua e tem o chato que quer te vender algo, mesmo você dizendo que só tem dinheiro para o pão. Ao chegar na padaria tem o chato que fura a fila e puxa assunto com a atendente, e por falar em fila… Sempre tem um chato reclamando sobre o tamanho da fila.

O chato religioso fanático está no ranking dos mais chatos (mas não entraremos em detalhes porque eles nunca levam nada na esportiva).

Tem o chato que se acha politizado (Opa! Desse também não posso falar porque eles têm liberdade de expressão, mas você não tem a mesma liberdade na presença deles).

E tem o chato do ônibus/trem que nunca usa fones de ouvido… E por falar em ouvir, sempre tem o chato que estaciona na frente do seu prédio com o som no último volume quando você está tentando estudar… E, sobre estudar, existem os chatos que conversam a aula toda (e você não pode reclamar porque eles são adultos, e fica chato). E aquele chato que vai para o cinema conversar com os personagens do filme?

E, é claro! Existem os chatos das redes sociais que escrevem textões chatos (It’s me) sobre a chatice dos chatos.

A lista dos chatos é Homérica, mas eu não quero ser chata!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.