Vamos falar de compersão?

De onde vem o ciúmes? Muito se fala sobre como ele faz parte da saúde de uma relação afetiva, a menos que se torne excessivo. É a premissa de que, em um suposto grau normal, “é bonitinho/carinhoso”, “é um cuidado com o outro”, “é uma expressão do amor”. Só quando é sufocante e limitante que é um problema, afinal. Doença, quase.

Pra mim, é posse, insegurança e ego, tudo junto. Posse em algo que emana de si e se impõe ao outro: o ciúmes é uma ferramenta nada consensual e nem sempre tão sutil, de controle. Insegurança naquilo que emana do outro para você: o ciúmes pode sim ser gerado e alimentado pelo receptor, em suas atitudes e sua postura. Ego em ambos: quem o demonstra se acha merecedor de tudo do outro, quem o recebe se sente importante e necessário. Acho que é sempre limitante e sempre sufocante.

Pior: tradicionalmente, é normal o homem senti-lo. É histeria da mulher fazê-lo. E pouca coisa demonstra tão bem que seja uma ferramenta de controle, afinal.

Detesto escrever essas coisas deixando soar que seja mero observador, olhando o mundo de cima do “asteróide poliamor”. Não apenas por ser pretensioso demais, mas por que todo autor é, atrás das teclas, gente, carne e um mundo de defeitos. Ciúmes é algo que por vezes deixei me transformar em algo que hoje espero conseguir sempre conter. Como? Todo hábito parte de esforço consciente, esse não é diferente. Lembrar sempre que nada é dado sem o devido merecimento e, mais importante, todo gesto é soma, não subtração. Dar de si não significa ter menos, logo ali.

É daí, acho, que parte a compersão. A expressão (compersion) foi cunhada por poliamoristas americanos para descrever uma sensação de bem-estar gerada pela felicidade de quem se ama. É muito associada ao prazer sexual do parceiro com outras pessoas, mas vai além. Sexo grupal e poligamia já têm essa vertente de muito antes, mas normalmente indissociada da questão sentimental. Muitas vezes, a definição dada é “o contrário do ciúmes” e isso por si só soa de uma pretensão imensa. Pensando em “posse, insegurança e ego”, no entanto, acho que realmente soluciona a primeira dessas três coisas (e talvez somente ela).

Para muitas pessoas, soa falso, teatral, como se fosse impossível admirar o prazer alheio a esse ponto, de ter prazer em si. Mas há sim uma beleza na plenitude dos desejos. Se duas pessoas conseguem ser assim plenas, uma para a outra, sem sua própria dose de teatralidade, palmas para ambas. Admirável. Mas ainda acho uma responsabilidade um tanto pesada, ser O TUDO do outro. E mais do que isso, bastante improvável que esse raro fenômeno ocorra em mão dupla.

Um argumento comum contra a compersão é de que “não é tão fácil dividir”. Não mesmo. Então que tal parar de pensar em subtração (e conseqüente divisão) e trocar isso para a soma (logo, multiplicação)? Sem a responsabilidade de ser TUDO, você aprende a tentar sempre ser MAIS. A pretensão aqui é fazer soar evolutivo, de certa forma, aceitar esse sentimento. Mas o fato é que ele existe, em muitas pessoas.

Poligamia, poliamor e até voyeurismo trazem uma carga mais óbvia, disso. Mas consegue lembrar de alguma vez que você mostrou a alguém que amava algo novo e surpreendente e viu na pessoa aquele brilho no olhar? Aquele sorriso incontido? Seja uma música, um livro, um filme, uma paisagem… ali, você entendia que estava somando. Esse é um prazer que você cedeu, mais do que deu, por que mesmo sem você aquilo permanecerá. E pelo mero fato de não ter uma figura humana, você aceita… com talvez só um pouquinho de ciúmes.

Originally published at cafeetapas.com on September 10, 2015.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Addam’s story.