Olímpico: o que antes era motivo de orgulho se tornou problema

Emily Mallorca

Foto: Emily Mallorca

três anos, a cantoria “Venho do Bairro da Azenha, bairro do Monumental, Grêmio é puro sentimento, somos a banda da Geral” ficou estagnada nas paredes do estádio Olímpico Monumental na partida contra o Veranópolis, que acabou com a vitória do tricolor por 1x0 pelo campeonato Gaúcho. O dia 17 de fevereiro de 2013 ficou marcado na memória dos gremistas por ter sido a última vez que os torcedores tiveram a oportunidade de vibrar nas arquibancadas do estádio, que ainda hoje é utilizado como ponto de referência para os porto-alegrenses no bairro da Azenha em Porto Alegre (RS).

O Monumental, construído em 1954, já não conta mais com o grito dos torcedores, a Geral do Grêmio e as marcações dos jogadores que perpetuaram por décadas no time azul, branco e preto dos gaúchos. Os jogos do Clube foram transferidos para o novo estádio: a Arena do Grêmio, construída em 2012 e situada no bairro Humaitá. Desde então, o Olímpico segue sem funcionamento. O futuro do estádio ainda é incerto, entretanto, em 2012, a Prefeitura de Porto Alegre (PMPA) aprovou um Estudo de Viabilidade Urbanística (EVU), onde previa a construção de torres residenciais, escritórios, um shopping de bairro e uma praça pública no terreno do estádio.

Foto: Emily Mallorca

O Olímpico ainda é administrado pelo Grêmio, porém, como o clube está em dívida com a construtora OAS pela construção da Arena do Grêmio, há uma negociação travada entre as empresas para definir o futuro do Monumental. Segundo a assessoria de imprensa da OAS, a implosão sempre foi uma das alternativas, inclusive, há projetos e estudos concluídos com licenças de obras ambientais e urbanísticas emitidas. A empresa ainda aguarda as negociações com o clube gaúcho para efetuar a implosão do estádio. Conforme a proprietária do “Treis Marias”, mercado localizado a três quadras do Olímpico a 17 anos, Maria Viesseri, 57, a construtora notificou e orientou todos os moradores e comerciantes que se encontravam ao redor do estádio a respeito da implosão.

Muitos proprietários não sabem lidar com a espera da implosão, pois o estádio parado prejudica o comércio de diversas formas, o que motivou muitos bares da região a abandonarem seus negócios. “Quero que derrubem o estádio o quanto antes, pois diminuiu o movimento e a segurança se tornou nula”, rebateu o atendente do “Ponto Xis” que fica a uma quadra do estádio a seis anos, Volmar Batista da Silva, 38 anos. A proprietária do “Mini Mercado Santo Antônio” localizado a 30 anos na frente do Monumental, Alice Viesseri, 57 anos, não pensa diferente. “O que eu mais senti quando o Grêmio saiu daqui foi a falta de segurança, fora isso, nunca pensei em fechar o meu negócio pela queda do movimento”. Para a comerciante Maria Viesseri, a esperança é a última que morre. “Queria muito que voltasse o movimento que eu perdi e dá pena de ver o Olímpico, que é tão grande, ali abandonado, mas agora não têm mais volta”.

Foto: Emily Mallorca

O azul, que agora é cinza concreto; as ruas lotadas, ficaram vazias; a torcida, que virou silêncio; o gramado virou mato alto; e a liberdade, que virou cercado. É essa uma das muitas condições estéticas em que o Monumental se encontra. Para os torcedores e moradores do bairro Azenha, o estádio passa por uma das situações mais precárias até hoje. “Quando eu vim morar na Azenha, estavam construindo o Olímpico, fiquei tão triste quando retiraram o Grêmio daqui, o bairro ficou triste, lembro que a Avenida José de Alencar virava um mar de gente fazendo festa em dia de jogos!”, relembrou a aposentada, Lili Moraes, 76 anos, que mora no local a 41 anos.

Os torcedores são os que mais sofrem, emocionalmente, ao ver o estádio em situação alarmante. “Nós, como torcedores, não imaginávamos que o Grêmio deixaria o estádio atirado às traças. O que era lindo, ficou feio!”, Vinícius Hahn, operador de rádio, 30 anos. O Gaúcho da Geral, Juliano Franczak, 35 anos, evita ao máximo passar ao entorno do Monumental. “A última vez que eu passei por lá eu fiquei muito abalado, é muito triste, porque eu me criei ali. Aquilo ali tem vida, dá uma nostalgia muito grande e, se eu tiver que fazer uma volta maior para não ter que ver o estádio daquele jeito, eu dou”.

Tricolores Fanáticos

Ainda que os torcedores do clube já tenham uma segunda casa para vibrar pelo time, o antigo estádio nunca sairá da memória dos gremistas. “A arena é tipo namorado novo e o Olímpico é aquele amor que tu nunca esquece”, Francielle Viegas, técnica de enfermagem, 22 anos. A comparação entre um estádio e outro sempre será frequente, Aramís Gusmão Henrique, estudante, 21 anos, acredita que no Olímpico os torcedores ficavam muito mais unidos do que na Arena do Grêmio, situação que o faz ficar com o coração apertado de saudade.

“A arena é tipo namorado novo e o Olímpico é aquele amor que tu nunca esquece” Francielle Viegas, torcedora do Grêmio

Questionados sobre histórias que marcaram os torcedores, eles relembram nostalgicamente os momentos mais emocionantes que viveram no Olímpico. O Gaúcho da Geral, Juliano, relembra que em meados de 2005, quando o Grêmio passava por uma fase difícil para sair da zona de rebaixamento, ele e a Geral do Grêmio mobilizaram porto-alegrenses para se associarem ao clube. Além disso, Juliano ia ao Monumental todos os dias para apoiar o time, sempre alentando, a fim de que o Grêmio se recuperasse. “Aquele ano eu vivi o Olímpico ao máximo, tinha toda uma energia positiva, foi um ano marcante”.

Foto: Emily Mallorca

Nem sempre todas as lembranças serão positivas, Vinicius, que tem uma tatuagem em homenagem ao estádio nas costas, têm os últimos anos frescos na memória, quando o estádio já havia sido desativado. O operador de rádio conta que conseguiu, pela primeira vez, entrar no gramado para tirar fotos e pegou placas para guardar de recordação. “Comemorei muita coisa lá dentro, chorei muito, é um estádio que merece ser lembrado”.

Foto: Emily Mallorca
“Comemorei muita coisa lá dentro, chorei muito, é um estádio que merece ser lembrado” Vinícius Hahn, torcedor do tricolor
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.