Pus-me a pensar

Todos os dias ouço novidades de Luanda. Não da cidade que descrevo cada vez que alguém aqui me pergunta sobre a minha terra natal. Roupa suja se lava em casa, não? Pois é! Mas eu me refiro a uma Luanda diferente, das miúdas novas catorzinhas de calções curtos, coxas grossas e grandes ambições. Ambições estas que trazem consigo a febre do imediatismo. Queremos tudo na hora como um professor rígido que não aceita um trabalho entregue depois de um minuto passado da data limite de entrega. E eu observo; de longe mas observo. Nunca estive alheio aos nossos problemas. E quanto mais observo, eu vejo amigos meus, homens e mulheres a fugirem do bairro, o nosso bairro, que falta água potável e luz, que todos os dias há sempre um amigo que foi preso, e mais uma miúda que engravidou. Sim, eu falo desse bairro, onde os nossos kotas saem à rua de manhã com escovas de dentes na boca e toalha nos ombros porque não houve educação suficiente para camisas engravatadas e sapatos engraxados. Eu os vejos a todos, amigos e desconhecidos. Toda gente foge do bairro a procura de uma falsa felicidade. Nossas irmãs expondo os corpos em redes sociais como artigos à venda no antigo roque santeiro. Lastimável! Todos sabemos. Deve ser essa a perda de valores que os os nossos kotas se referem quando hipocritamente criticam tais atos uma vez que são muitos deles que incentivam a prática com as mesadas e saldos em troca de caras jovens e partes firmes e nos devidos lugares. Mas, cada um sabe de si, cada um faz o que pode, uns jogam não te irrites no fundo da rua, outros assaltam a cantina do maliano, mas cada um faz o que pode. Eu, impotente, sem muita autoridade moral para criticar ou dizer o que acho que está certo ou errado, porque sou, de facto, só mais um filho ingrato que fugiu da mãe a procura da tal felicidade, apenas observo. Mas quanto mais observo, ponho-me a pensar, e sempre me deparo com um facto irrefutável. O povo só quer ser feliz, mas a realidade não é. Daí a necessidade de se procurar tais alternativas caóticas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.