A geração que se orgulha de ser um pedaço de bosta

É muito comum você entrar na internet e ver pessoas falando de tristeza, preguiça e mal estar nas redes sociais; mas não apenas falando, e sim exaltando como se fosse algo normal e “bom” de sentir, simplesmente porque é “comum”. Sinceramente, responda para si mesmo: é bom estar triste, com preguiça e se sentindo mal? Já cheguei a ver gente postando foto de remédios tarja preta como quem diz “olha, pessoal, eu sou doente, hahahaha! Legal, né?” Sinto muito em desapontar, mas não é legal não! Estamos vendo o endeusamento de coisas ruins como a tristeza e o fracasso como algo comum, pessoas vazias tentando preencher seu vazio existencial com um pouco de atenção de outras pessoas vazias expondo as coisas ruins que ela passa pra que ambos preencham seus vazios com outros vazios, no fim, são apenas um monte de vácuos.

Basicamente são pessoas psicologicamente abaladas, com traumas causados por problemas familiares, sociais, desilusões amorosas, e afins. Infelizmente isso não fica só na internet, na vida real esse tipo de pessoa com o emocional abalado tende a se reunir com pessoas como ela pra várias atividades improdutivas como: reclamar da vida, da família, beber até cair e se drogar. A melhor forma que ela vê em ajudar um amigo na mesma situação que ela é buscando refúgio em qualquer coisa que possa oferecer um pouco de fuga da realidade ou segurança aparente, daí sempre aqueles conselhos do tipo: “vamo beber”; “vamo fumar”; “vamo cheirar”; “acho que você tem que ficar com aquela pessoa que te faz mal”; e por aí vai. Alguém chega contando um problema familiar, invés de ouvir coisas como: “calma, não é bem assim, essas pessoas te querem bem, pare e pense um pouco”, imediatamente ouve coisas do tipo “família só fala merda mesmo, meu pai/mãe é assim mesmo, vamo beber!”. Qualquer forma de alegria é descartada, já cheguei a ver pessoas dizendo que odeiam pessoas muito felizes… Já parou pra pensar na gravidade disso? Não adianta dizer que é “brincadeirinha”, porque você sabe que não é. Parece que hoje em dia ser triste, preguiçoso e fracassado é motivo de orgulho, chegar na rodinha e falar de coisas ruins parece ser algo legal, as pessoas dão risada da desgraça, parece a única forma de ser socialmente aceito, mas isso só na rodinha dos “descolados”. Geralmente pessoas mais maduras ou que não têm muito acesso aos novos conceitos da internet ainda vivem em função de ser feliz, enquanto nossa geração se afunda cada vez mais no ostracismo, chegamos a um nível preocupante onde as pessoas não tem noção do quanto isso é destrutivo para elas mesmas e pras outras pessoas.

Ter a atenção de certo grupinho parece ser o suficiente, o mais próximo da felicidade que se pode chegar, o vazio existencial preenchido por tão pouco torna-se muito quando inflado pelo próprio sentimento de incapacidade de conseguir algo realmente bom; você pode, mas ainda não se deu conta, porque está ocupado demais sendo fracassado. De alguma forma, o sentimento coletivo de fracasso acomodou as pessoas, esfriou corações e tudo caminha para o fundo do poço emocional: depressão profunda e até suicídios, casos que pra quem é do Twitter, já vimos acontecer. É necessário que você saia da sua bolha, resgate suas forças e se sinta bem, rompendo a sombra da própria loucura, cuidar de quem está do seu lado e de quem te quer bem.

Você tem um grande potencial, pode ir muito longe, basta você se encontrar e largar essas idiotices. Atenção de pessoas vazias não cooperam em nada para o seu bem, você não é uma bexiga pra ser preenchida com ar, você é um ser humano, você se preenche com sentimentos e sensações, busque então as melhores.

Ser um bosta não é motivo de orgulho, é motivo de vergonha!

Não seja um bosta, seja uma pessoa feliz e de sucesso!