Sobre ser ateia/agnóstica, algumas considerações.


1- O fato de ser descrente não muda minhas relações de afeto. São coisas completamente diferentes. No máximo, posso sentir empatia por pessoas que pensam como eu, mas isso jamais será determinante na maneira como lido com qualquer ser humano.

2 - Não vejo com maus olhos se, por um acaso, você quiser rezar por mim em uma hora difícil ou disser espontaneamente um "vai com Deus". Vejo isso como uma boa intenção, uma boa energia gerada. Sua fé não me fere, não me agride. É sério.

3 - Penso que a sua crença - aliás, qualquer uma - é ponto para discussão quando interfere negativamente na vida alheia: isso inclui as enganações e enriquecimentos em nome da fé, os sacrifícios de animais [que não têm nada a ver com o seu posicionamento antropocentrista], os assassinatos em massa, as guerras e muitos comportamentos que estão muito longe da noção mais básica da convivência: não faça ao outro o que não deseja que se faça com você. O terreno da religião não pode servir como anteparo para loucuras. Então, contrariando o senso comum, se for o caso, religião se discute sim. E bastante.

4 - O fato de eu achar que o mundo estaria melhor sem religiões não me impede de perceber que em muitos momentos ter uma crença pode ser um alento, que há religiosos sérios e comprometidos com suas causas, genuinamente.

5 - Ateus não são rigorosamente materialistas [no sentido da cobiça, não o filosófico]. Podem até ser, mas não é a regra. Na verdade, por experiência própria, os meus amigos descrentes são em geral muito mais desencanados em relação a posses do que a maioria dos crentes que conheço, principalmente das correntes religiosas que apostam firme no "toma-lá-dá-cá".

6 - Não tenho "fé" na não crença. Apenas não creio. Não pretendo "catequizar" ninguém, porém, como ficou claro num parágrafo ali em cima, acho válidas as discussões. Países europeus com maioria de ateus vão muito bem. Outros, onde há mais "ateístas" - motivados e "convertidos" por ideologia política e não por seu pensamento crítico/independente - podem ser lugares inóspitos, realmente terríveis em vários aspectos.

7 - Ser ateu não faz de ninguém um socialista ou comunista automaticamente. Evite esse binômio. Ele é falacioso. Particularmente, cheguei a esse ponto pelas minhas próprias buscas, decisões, questionamentos - sem doutrinação partidária. Estou bem longe de ter apreço pelo comunismo, diga-se de passagem.

8 - Não tenha melindres em relação a mim porque não tenho um deus ou alguns deuses, porque não professo alguma fé. Não sou oca, também tenho sentimentos, sangue, suor. Não sou um acidente geográfico, uma criatura marginal. Tô na massa humana, assim como você. [Muita gente pode estranhar esse item, mas quem é ateu entenderá. Rs].

9 - Não doutrino minha filha em relação a crença e não crença. Perguntada, defendo meu ponto-de-vista, mas não o imponho. Ela é livre e "virgem" de religião. Tem dado um bom resultado.

*Era mais ou menos isso. Se alguém lembrar de um ponto interessante, é só incluir aqui. 😊😉