Entenda, dizem eles. Você precisa ser mais maleável, dizem outros. 
Quando trata-se de sentimento e intensidade, eu não sou eu mesmo. As pessoas não compreendem a profundidade e o grande problema que vem junto ao falar de intensidade.

Ter paciência, esperar o tempo certo, maturar a estrutura. Uma pessoa intensa não lê essas placas de aviso, se joga por inteiro, 8 ou 80. Sentir ou não sentir, estar presente (a parte mais importante). 
Depois de tentativas, de ser estrelhinha, conhecer mais gente, ficar com mais pessoas, tentar de todas as maneiras possíveis a “importância”, o “se importar”.

Aprendi com o tempo, que pessoas intensas precisam de todas as coisas ao mesmo tempo, são turbilhões de pensamentos, estão sempre prontos e preparados e em tudo isso, muito angustiados, seja por medo de quebrar a cara, por se abrir de mais e mergulhar em pessoas rasas e/ou evasivas demais. Mas não aceitam qualquer coisa. Aceitam apenas aquilo que fazem os olhos brilharem, que fazem com que sonhem com o que fazer amanhã e depois.

Como diz a musica: “And there’s no conspiracy! Behind the way two hearts meet! When love is a two way street”Sim. Há duas ruas, duas maneiras, duas visões. Esse é o passo difícil. Ter que aceitar, depois de cada queda e tropeço que há pessoas rasas que jamais entenderão o que é isso. Eu tento compreender esses limites, mas muitas vezes falho por ser ímpeto, insensato e impusivo, o que me leva sempre a aprender depois.

Acabar sempre desacreditado em tudo e que todos são iguais. São medidas e pesos diferentes. Sempre serão.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.