anéis

minha avó teve alguns anéis
o primeiro foi posto em seu dedo
e tivera sorte
homem que a amava.
pediu sua mão.
alguns meses depois seu noivo fugiu para são paulo
motivos? não havia.
minha avó, na esperança de sua volta,
fora à casa da família dele
"pode arrumar outro
ele mandou dizer que não volta"
e o anel? fique com ele no dedo.
antônio tá olhando para você
que nem olhava quando vocês eram meninos
sempre soube que ele queria namorar você.
começaram a namorar.
pediu sua mão em casamento
aliás,
pediu ao seu pai.
"não vou pedir a você porque sei que você quer",
disse.
casaram-se. o anel usado foi o deixado pelo noivo antigo.
casados no papel, porque, na realidade, minha avó sentia-se ainda sozinha
deitaram-se uma única vez, quando conceberam minha mãe
o resto das noites meu avô passava com os amigos
casado com a bebida
e minha avó costurando para poderem comer.
ela pegou a filha e fugiu
por sorte tinha a casa da mãe.
os anos que se seguiram foram apenas para criar a filha
sem novos casamentos
embora tenha aparecido um rapaz com um anel pedindo a sua mão
o anel era uma sacola de roupa para minha avó costurar
"eu quero casar com tu, trouxe minhas roupas para você ajeitar, soube que costura."
eu lá quero arrumar um casamento desse.
hoje,
aos 87 anos,
minha avó tem no dedo o anel do primeiro noivado
que, a propósito, estava no chão do banheiro semana passada.
caiu.
você sabe, na velhice até os dedos emagrecem.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Júlia’s story.