Você

Estou com saudade de você.
De você aí. É. Você aí.
Você que me provoca todo esse frenesi…
Que me faz morrer do coração a cada vez que te vejo. 
Você que tem a voz mais doce do mundo
Que tem esse sorriso que devia ser proibido por ser tão perfeito.
Você que me faz ficar pensando.
Que me faz. Que me faz chorar.
Que me faz te querer ficar parado na minha frente
só pra eu ficar te olhando…
Você que é o meu sonho proferido.
Que me faz querer estar mais bonita a cada dia…
Só pra você querer olhar pra mim também.
Você que é a razão de tudo o que eu escrevo,
Dos meus planos, da minha falta de senso.
Que causa o meu sorriso só de lembrar,
Mesmo agora depois de tanto tempo.
Você que inspira, que me realiza, que me faz sentir viva.
Que não tem noção de que eu giro em torno da sua órbita.
Você que passa e derrama música no caminho…
Que é tão especial por não saber que é tanto assim.
Você.
(Paula Pimenta — Confissões)

Decidi compartilhar o meu poema favorito de todos os tempo. Sempre que leio essa declaração fico apaixonada. A primeira vez que li esse poema foi aos dezesseis anos quando estava lendo “Minha Vida Fora de Série Primeira Temporada” quando a Priscila tomou coragem e se declarou para o Rodrigo na frente da sala toda.

Como uma romântica incurável achei a cena tão linda, consigo ver essa cena na minha cabeça perfeitamente. Então eu fiquei imaginando que eu poderia fazer uma coisa parecida, não? Claro que eu não ia me declarar na frente de toda a minha sala, pelo amor de Deus, só de pensar já fico nervosa e começo a suar frio. Então decidi que esse seria o poema que eu mostraria para o meu príncipe. Sempre que eu tinha uma paixonite qualquer eu ficava relendo esse poema, imaginando que o rapaz que a Paula falava era o agaroto por quem estava apaixonadinha, mas nunca nem cheguei a mostrar nada. Eram só paixonites bobas.

Mas em um curto período de 2016 eu cheguei a transcrever esse poema e entreguei para esse príncipe. Lembro que enquanto os olhos dele passavam de um lado para o outro da folha seu sorriso aumentava cada vez mais e isso foi fazendo com que o meu coração explodisse dentro do peito. Na minha cabeça ele entendia o que eu estava sentindo e me sentia tão feliz por poder compartilhar isso com ele.

Comecei a ler os livros da Paula Pimenta quando eu tinha apenas catorze anos e foi aí que descobri que gostava de escrever e que tinha, sim, a capacidade de colocar todos os meus pensamentos confusos para fora, e a partir disso fui descobrindo novas histórias dentro de mim. Sim, eu tenho muito a agradecer a Paula Pimenta por me fazer ter coragem de acreditar que no Brasil, nós temos chance. Antes dela eu não gostava muito dos nossos autores, e me sinto bastante culpada por isso. Então, obrigada Paula por todos os seus lindos livros que tanto amo e que já li e reli mais de cinco vezes.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.