Discurso sem medo: inspire-se na ficção para melhorar sua fala em público

Seja na vida real ou na ficção, cativar e motivar pessoas sempre foi considerado um desafio. Mas como parecer confiante e digno de atenção perante uma plateia? Falar em público não precisa ser um pesadelo. Sendo um grupo de 2 a 500 pessoas, garante a ciência que o desafio de conquistar e envolver pode ser encarado com uma maior facilidade caso praticarmos e seguirmos algumas ideias e estratégias. E mesmo você não estando no comando de um exército na véspera da batalha, aprender a apresentar a sua história ou argumento pode fazer a diferença entre a vitória ou a derrota.

Cheias de lições, sacadas e discursos excelentes, boas histórias podem nos inspirar e persuadir quando falamos para um público e tentamos criar uma conexão com quem nos ouve. Estratégias verbais e corporais podem auxiliar muito a melhorar o desempenho de qualquer palestrante. E em alguns casos, a ficção também pode exemplificar algumas das táticas que os oradores mais experientes utilizam.

Viola Davis como Annalise Keating (How To Get Away With Murder) e Neil Patrick Harris como Barney Stinson (How I Met Your Mother). Personagens carismáticos e com personalidades opostas.

Como podemos melhorar nossa fala em público? Vamos à estratégias verbais e corporais.

Dicas verbais

  • Um dos erros mais comuns é o fato de começar a falar poucos segundos depois de subir ao palco. Vamos com calma, primeiro o público precisa digerir a sua imagem corporal. Por isso, quando subir em um palco, espere alguns segundos até a plateia ficar em silêncio, e só depois comece o seu discurso.
  • Geralmente, no primeiro minuto de apresentação é quando a tensão atinge o seu ápice. Um discurso com uma abertura bem elaborada diminui a ansiedade quase por completo.
  • Usar metáforas e analogias em seus discursos é uma ótima estratégia. Fazer comparações entre seus argumentos e ideias que seus ouvintes já têm em mente torna mais fácil para que eles visualizem e entendam sua mensagem.
  • Faça pausas. Além de ajudar na sua respiração, fazer pausas entre um tópico e outro auxilia as pessoas a memorizar seus argumentos.
  • Estabeleça metas e objetivos. Ao descrever o que deseja alcançar, você pode conquistar a simpatia do público — afinal, todos temos nossos próprios objetivos e podemos nos identificar com você. Isso também acaba por ativar, internamente, as metas e desejos pessoais de cada espectador.

Dicas corporais

  • Gestos de mão podem ser utilizados para enfatizar argumentos, puxam a atenção da plateia e transmitem emoções;
  • Poder vocal é uma habilidade que permite o orador fazer com que sua audiência não só o escute, mas o entenda. Com paixão e determinação, a voz pode atingir o cérebro e o coração ao mesmo tempo, conquistando atenção total.
  • Sorrir enquanto fala. Talvez a mais fácil de ser colocada em prática, já que pode acontecer naturalmente. Um sorriso ao proferir um discurso pode reduzir a tensão do palestrante, aumentando seu humor e confiança, assim como conquistar a concentração do ouvinte.

Na vida real ou nas telas, as regras são as mesmas. Confira alguns dos melhores discursos da ficção e identifique as técnicas e estratégias utilizadas pelos personagens para captar a atenção de seu público:

Daenerys Targaryen em Game of Thrones

Com um fortíssimo núcleo feminino, Game of Thrones tem personagens para inspirar qualquer mulher. Presente desde o começo da série, a princesa exilada Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) luta — e muito — para voltar à sua terra natal e retomá-la. Ao longo das seis temporadas até agora, acompanhamos a transformação de Daenerys de garota sonhadora em rainha e comandante de seu próprio exército. Muitos dos seus discursos são direcionados, com um poder vocal fortíssimo, além de ela sempre exemplificar seus objetivos.

Frank Underwood em House of Cards

Um dos carros-chefes da Netflix, a série política House of Cards conquistou o público com a história do casal inescrupuloso Frank e Claire Underwood (Kevin Spacey e Robin Wright). Embora não possam ser classificados como típicos protagonistas, apresentando personalidades frias e egoístas, é inegável que ambos possuem um forte carisma e apelo com o público. Tanto os discursos políticos quanto as falas de Frank com o telespectador mostram um homem confiante e seguro de si, com forte entonação vocal. Ele também possui boa postura corporal e utiliza as mãos para destacar trechos de suas narrativas.

Mestre Yoda em O Império Contra-Ataca

Nessa cena da franquia Star Wars, o mestre jedi (Frank Oz) prova que para ser eficaz, um discurso não precisa ser longo nem ser dirigido para um grande público. Sozinho em um planeta com seu aprendiz Luke Skywalker (Mark Hamill), Yoda pouco fala, mas consegue traduzir em escassas palavras uma explicação sobre “a força” que conecta todo o universo de Star Wars. Direto ao ponto, motivacional e efetivo.

Harvey Milk em Milk

Filme baseado na vida de Harvey Milk, político, ativista e primeiro homem homossexual a ganhar uma eleição no estado da Califórnia. Em especial, esse discurso dele na Parada Gay provoca confiança, patriotismo e coragem, em uma época em que a população gay sofria com abusos e preconceito de grande parte dos cidadãos norte-americanos. Conhecedores da sua audiência, tanto o Milk da vida real quanto o da ficção eram excelentes oradores. Os discursos do Harvey Milk real são conhecidos até hoje como “discursos da esperança”.

William Wallace em Coração Valente

Considerado por muitos o melhor discurso pré-batalha de um filme, baseado em uma fala real do escocês William Wallace na guerra contra a Inglaterra pela independência da Escócia. Na cena em questão, aparecem todos os elementos para um discurso épico: Mel Gibson trotando em um cavalo em frente à suas tropas pouco antes da batalha final e uma multidão de soldados desmotivada, não muito entusiasmada em ouvir suas palavras e prestes a desistir. O discurso do personagem entrou para a história do cinema ao mudar os corações e as mentes dos soldados e fazer com que muitas pessoas desejassem sair correndo para comprar um kilt e se unir aos rebeldes escoceses.

Mas nem só de personagens confiantes e populares é feita a ficção. Histórias de pessoas com dificuldades sociais, principalmente com problemas de interagir em público, também inspiram e comovem. Desde timidez a sintomas mais expressivos, personagens que sofrem com transtornos, dificuldades e fobias estão presentes nas telas e também ganharam a simpatia do público.

Amélie em O Fabuloso Destino de Amélie Poulain

A personagem que dá título ao filme é uma mulher tímida e com dificuldades de estabelecer relacionamentos, embora se esforce ao máximo para trazer felicidade para a vida das pessoas que a cercam — mas sempre tentando passar despercebida. Mesmo sendo capaz de realizar os desejos dos outros, Amelie luta com a sua própria solidão e incapacidade de encontrar o amor.

Rei George VI em O Discurso do Rei

O ganhador do Oscar de 2010 traz a história do rei inglês George VI, que precisou da ajuda de um terapeuta para superar o nervosismo e a gagueira em seus discursos e aparições públicas. Oscar também para Colin Firth, por interpretar o monarca que se esforça para se livrar da ansiedade.

Charlie em As Vantagens de Ser Invisível

Charlie, um tímido adolescente de 15 anos, se recupera da depressão após o suicídio de seu melhor amigo. Deslocado, solitário e com dificuldades de adaptação em um novo colégio, ele logo é adotado por Patrick (Ezra Muller) e Sam (Emma Watson). Ao longo do filme, Charlie precisa enfrentar sua doença enquanto sofre com desmaios e alucinações. Baseado em livro de mesmo título.

Elliot em Mr Robot

Ganhador do Emmy de melhor ator desse ano, Rami Malek interpreta Elliot Alderson, o hacker que sofre com uma forte fobia social e depressão, disfunções que acabam atrapalhando sua vida pessoal e profissional. Com o desenrolar da trama, as doenças do protagonista se agravam e acabam trazendo à tona memórias que ele mesmo havia enterrado.

Lars em A garota ideal

Ryan Gosling interpreta Lars, um homem solitário e com problemas de socialização que vive na garagem da casa de sua família. Com medo de ser tocado, o personagem prefere passar seu tempo sozinho, mesmo com várias oportunidades de se relacionar com outras pessoas. Certo dia, ele se convence de que uma boneca de silicone é sua namorada, acreditando se tratar de uma mulher de verdade.

Raj e Lucy em The Big Bang Theory

Os personagens de Kunal Nayyar e Kate Micucci formaram um casal na sexta temporada da série de televisão The Big Bang Theory. Ambos manifestaram diversas características de fobia social. Nas primeiras temporadas, Raj apresentou uma timidez excessiva e um sério transtorno de ansiedade, o que lhe impedia de conversar com mulheres fora da sua família. Lucy também se sentia socialmente ansiosa perto de pessoas que não conhecia, chegando a se colocar em diversas situações em que se sentia desconfortável para tentar combater sua fobia.

Boas histórias rendem bons discursos

Nem todos nascemos com a desenvoltura de um Frank Underwood, por isso a importância da prática regular de oratória. Tem dificuldades de falar em público ou de se comunicar com os outros?

Informe-se sobre esses obstáculos e tire dúvidas com um especialista.

Timidez, dificuldades para falar em público ou de se comunicar são barreiras que impedem nosso desenvolvimento social, pessoal e profissional. Bons discursos motivam, são persuasivos e vendem. Todos temos o poder de contar uma história, argumentar e inspirar pessoas.

Fontes: Science of People, Youper e IMDb.