La Plata, Argentina. Foto: Agatha Azevedo

Mais uma pra casa de mamãe

Um adeus pr’esse quarto eternamente provisório, 
pr’esse canto de passagem, 
que, sempre desarrumado
é terra de estadias boas e controversas.

Tchauzinho “jornalista palhaço” na parede, 
pilhas de livros que não li
vaquinha de pelúcia..
sonhos que não realizei

Deixo pra trás a adolescência, 
primeiras dores da vida 
e os problemas sutis de uma história que está só começando 
É hora de fazer as malas, mais uma vez.

Tirar abrigo, colocar sonho
e uma pitada de mistério.
E no que tange ao gosto pessoal, 
ainda farei várias vezes este saboroso processo.

Errante e pura metamorfose,
Sigo divagando aqui e ali
Até o dia que alguma brisa me faça ficar
E a calmaria não me arranque as asas.

Beagá tem seu toque blasé de lar, 
e de Venda Nova para o mundo
sigo desbravando. 
Ir e vir, direito dos que sonham.

Por Agatha Azevedo, no dia 31 de julho de 2016