Trivialidades do mundo virtual pro mundo real!

Esse é um “causo” simples, do dia a dia simples, de uma vida simples, de uma atitude simples, que nos fazem ver a simples importância de um ato que simplesmente reflete de alguma maneira no outro.

Da série: trivialidades da vida e coisas simples que fazem uma (pequena) diferença: 
Eu confesso que sou uma pessoa que me perco muito facilmente, por esse mundo virtual aqui, (e tenho total consciência dos prós e cons. da minha adicção de querer ler tudo que tem nesse mundo, e as suas consequências, etc), mas tenho sempre uma “boa razão”, motivo e forma de me convencer, de que preciso de mais um minutinho só pra ler mais um texto, um último post, dar só uma visitada rápida nas fotos dos amigos — ah e que bem (e inveja) nos faz ver uma praia de água transparente e um céu azul anil, quando da sua janela você tem um dia cinza com temperaturas negativas e a neve caindo, que também é poético e belo nas fotos — mas na realidade e ainda no ritmo de férias, (que já está acabando), e vou me dando conta de que não fiz muitas das inúmeras coisas que planejei para essas primeiras semanas livres em casa e que a vida real está chamando, e ai, é super fácil cair na armadilha do fantasminha da culpa, e fica aquela vozinha.. tenho que sair desse fb.. mas agora vou só postar isso e tchau!* 
 
Ok. Sim, eu sei que tem muitas consequências do mau uso, e como tudo, e que tem também o lado positivo; de que as vezes, sem tanta consciência, que podemos gerar uma reação positiva, e ajudar alguém do outro lado da tela, do planeta, a pensar diferente, a se sentir melhor, a mudar sua atitude; a simplesmente sorrir. E já sabemos disso, mas geralmente nos condicionamentos do dia a dia nos perdemos na virtualização de sentimentos; e com tantos encontros online, e poucas conversas reais, é muito fácil de esquecer. 
 
Bom até ai parecia tudo simples e bobo mas até que hoje encontro com uma pessoa, que nem tenho muito contato, falei poucas vezes, que é reservada, que vai sair do trabalho, e que só passei pra dar tchau, desejar boa sorte, saber quais eram os planos, dar um abraço e tal.

E aí ela me fala:
- poxa, ontem vi aquele seu post,* (que postou que a vida não tem regras, nem idade certa pra fazer as coisas) e me fez tão bem ler, pois ando me sentindo mal, meio pra baixo com essa coisa de idade e cobrança de sucesso, de que ainda não tenho trabalho estável, nem filhos etc.. (e sem entrar em detalhes da cultura dela, onde a família já espera, que ela como mulher já tenha garantido o “pacote casamento” +filhos+casa+carro… coisas que ela pelo jeito não quer). Enfim, ela disse estar longe desse plano e patamar = crise de/a idade e ela ainda nem tem 30! :D mas cada um tem a sua crise, e sem hora marcada, certo? E que poder ler que eu sou mãe solteira, que tive filho e não casei, que não me graduei, e fui trabalhar, ou que vou fazer 4o e nem carteira de motorista tenho e que cheguei nesse estágio de entender e acreditar que o que importa é ser feliz! e idade não importa!

E aí é assim, quando agente menos espera ao compartilhar, num dia qualquer, um post “bobo”qualquer, de algum fato comum, ou pessoal, mas que pode estar ajudando alguma pessoa qualquer, alguém próximo ou mesmo longe, ou que nem tenha mais contato, mas que pode estar precisando ler alguma coisa positiva pra poder se sentir melhor! =) E nos faz feliz, eu pelo menos e acredito que todo mundo, fica de ver que fizemos outro feliz, sem ego, sem nada nenhuma razão, de graça. 
Por isso peço por uma campanha de um ano com mais posts e textos “do bem” com mais bom humor, amor e gratitude! É o que precisamos!
Já esta valendo um sorriso a mais no meu dia! #+amorporfavor! Beijos

esse era o texto que compartilhei:
https://www.facebook.com/thispageisaboutwords/photos/a.252010398268137.60553.252006304935213/972598482875988/?type=3&theater

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.