Viva de e pelos bons momentos!

A depressão está comigo há um tempo. Não sei exatamente quando essa doença surgiu, mas sei os porquês.
Não citarei motivo algum pois procuro deixar certas memórias engavetadas. Quando temos perturbações de humor, o melhor a se fazer é viver. Pensar gera acessos e acessos destroem os bons momentos.
A depressão não é fixa, claro. Digo, ela tem episódios, sabe? As alegrias, por exemplo, são momentâneas. Contudo, um bom momento pode durar minutos, semanas ou anos. Há períodos em que ficamos livres de tal doença por tanto tempo que acreditamos estarmos curados. Quando se possui uma doença bipolar, torna-se mais fácil lidar com a unipolar.
Se já pensei em me matar? Ah… Muitas vezes. Todos pensam uma hora ou outra. Mas é justamente quando chegamos ao nosso limite que devemos respirar fundo para não colocarmos um ponto final em nossas vidas.
E por que não acabei com minha vida? Bom, porque há amor demais dentro de mim. Um indivíduo que tem amor pela vida, por tudo; que acredita fiel, intensa e verdadeiramente no poder do amor… Não é fácil derrubar um indivíduo assim. Cada manhã é uma vitória. Levantar e sorrir para o mundo é uma vitória.

Viver, sobreviver não é fácil e sei bem disso;
mas inúmeras almas já passaram pela Terra, não é mesmo?
E no final, você querendo ou não, todos têm o mesmo fim.
Então, por que tirar a vida precocemente
se podemos gozar dela por pouco menos que um século?
É tempo demais para desperdiçar.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.