Image for post
Image for post
fotografia por Olivia Bee

Quando você desapareceu, eu te procurei. Eu te liguei. Mas como eu já imaginava, ninguém abriu a porta quando eu toquei a campainha. Você me viu do lado de fora. Você ouviu o telefone tocar. Sabendo da dificuldade de dizer adeus, preferiu que a ausência falasse por você. Você se fantasiou de fantasma pra morar no meu passado. Mas assombrou o meu presente em cada música do Ed Sheeran que tocava na rádio. Você era o passado não-terminado mais presente que eu carregava por todo o lado.

Você me viu parar de procurar. As pessoas ao meu redor viram também…


Image for post
Image for post
fotografia por Paolo Raeli

Eu me sentei com ela na mesa de um bar que nunca fui. Era um reencontro de duas pessoas que nunca se encontraram, mas os toques não deixavam mentir o afeto. Éramos estranhos tão conhecidos que fazíamos os beijos de balada terem inveja de nós dois. Dentre tantos desconhecidos que vivem na mesma cidade que eu, logos nós dois estávamos ali.

Mas a imaginação cria fantasmas que o próprio medo teria medo. Situações que não existem, mas perturbam como se fossem reais. Incomodam como se não fossem banais. Nosso encontro foi o melhor confronto de amor que eu já presenciei…


A saudade hoje tem nome. A saudade hoje tem idade, tem alergia e intolerância à lactose. A saudade hoje ganhou mais um quadro na minha parede de memórias (autografado). A saudade hoje mandou um abraço e me lembrou que a gente não se lembra faz mais de ano. A saudade hoje foi o que ela foi ontem, e o que provavelmente será amanhã: insuportável.

Mas a saudade me lembra que o que passou foi bom. A saudade faz com que a gente pareça um filme que tem reprise todo dia. A saudade hoje diz que eu preciso procurar novas saudades…


Se fosse só pelo dinheiro,
eu virava bicheiro,
não tava aqui não.
Nasci em Brasília,
no Distrito Absurdo,
futuro aqui?
Futuro é concurso!
Se fosse por causa da grana
não passava a semana
fazendo poesia,
então desencana!

Goste ou não, não ‘sejá’ vacilão, e agrida de graça quem tem boa intenção. Respeita o trampo do outro e sua dedicação. Podia estar no escritório das 8h às 18h rezando logo pro fim do mês. Podia ter dado orgulho pro pai e pra mãe. Mas preciso aguentar quem diz que sou vagabundo por tentar prosperar. E quando pergunto mudam de assunto, não…


Somos de realidades completamente diferentes. Eu estou acostumado a catar meus pedaços e seguir em frente sem ninguém me perguntar nada. Eu prefiro que não me perguntem nada. Eu acho que ainda não encontrei a pessoa que me aqueceria o coração quando perguntasse “Tá tudo bem?”. Até porque ela perguntaria isso já sabendo a resposta, segurando a minha mão.

Quem viveu tantos anos com ansiedade sabe bem o quão fundo é o buraco da própria alma. A gente sabe se virar. Mas um pouco de empatia faz falta. Uma pergunta retórica sem muita ambição. Sabe? Eu queria que você fosse…


Certa vez uma amiga querida me disse o seguinte: não deixe a faculdade atrapalhar a sua educação. Eu penso nisso todos os dias.

Image for post
Image for post
Esse tweet é de 2013 e talvez o PC não pense mais assim, mas a indagação cabe aqui como um bom questionamento.

Antes de tudo: eu faço publicidade e propaganda, e o que vou falar é para os cursos (e trabalhos) voltados para a indústria criativa. Se você faz outro curso, leia e se identifique por sua própria conta e risco. Talvez você, assim como muitos outros, esteja no piloto automático. *O que foi escrito não é verdade absoluta, é aquilo que eu cansei de deixar o silêncio amordaçar.

As universidades seguem um modelo antigo que não se adaptou…


Image for post
Image for post
"(…) Hoje eu estava triste, saudade de casa, da namorada, dos amigos, dentro de um avião, eu chorei tanto, tanto, uma angústia tão grande." — Whindersson Nunes, no Facebook

Você pode não gostar do Whindersson Nunes. Pode não gostar dos vídeos que ele faz, dos shows que ele faz, nem das piadas que ele faz. Mas você não pode dizer que ele não fez.

Whindersson foi lá e fez. Fez o quê? Seguiu um sonho. Ou melhor, realizou.

Um nordestino de origem humilde, que faz graça contando de um jeito bem humorado tudo pelo que já passou. Com uma câmera simples, sem microfone, sem cenário, sem blusa, sem produção. Ele tinha carisma, visão, e o mais importante: dedicação.

A maioria das pessoas nos dias de hoje desiste, não antes…


Image for post
Image for post
foto por Sarah Outeiro

Querida Wendy,

sou um dos garotos sem terra, que procuraram incansavelmente por ânimos na vida fortes o suficiente para manter a mente acreditando e o coração pulsando.

Sou um dos garotos perdidos que diziam as histórias do Peter Pan. Geralmente saíamos voando por aí, mas até mesmo os garotos perdidos um dia enfrentam a realidade. Até mesmo eles, sonhadores da resistência, que juraram sonhar eternamente, voltam para terras reais de pessoas irreais em tempos surreais.

Enfrentamos a realidade de que viver sem terra não é tão ruim assim. Afinal, quando voltamos ao mundo, somos obrigados a vivermos em terra sem…


Image for post
Image for post
fotografia por Isabella Mariana

Cada vez mais os amores são despachados em sacos e embalados por cores. Enfileirados, endireitados, um por um. As vezes até entregues em caixas, com várias unidades. Somos da geração em que amores e paixões parecem serem vendidos em mercados, desses que tem em toda a esquina. Nossos amores são perecíveis e embalados a vácuo.

Sendo bem sincero, o amor sempre teve prazo de validade. Ele é como uma maçã. Quando está pra estragar, basta pegar sua semente e plantar. E regar e cuidar. E pronto, mais maçãs. Ou seja, o amor sempre teve o desafio de precisar ser renovado…


Image for post
Image for post
fotografia por Bernardo Moreira

Olha bem, meu amor. Quando a gente ama, conta além. Vai muito mais do que flores aqui e chocolates lá, do que um cinema improvisado com Netflix na sala de estar. A gente viaja e chama pra viajar. Cria muito mais do que a cabeça pode suportar. Inventa tanto que a realidade vira sonho e um abraço vira mar, tanto que quando a gente vê está prestes a se afogar. E o melhor? A gente não liga. Viver no amor é navegar na imensidão, com perigo iminente e sem hora pra voltar.

Você me dá seu braço e eu peço…

João Doederlein

Ressignificador de palavras profissional, poeta de apartamento, e criador do Contos Mal Contados http://on.fb.me/1PW436R

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store