A metáfora da Mullan.

Eu devia ter uns 5 ou 6 anos, meu pai chegava em casa e sempre trazia umas moedinhas pra mim e pra minha irmã. Ele trabalhava por plantão e isso dava a ele a possibilidade de montar um carrinho de cachorro-quente nos “dias de folga”. Ele deixava a gente ficar com alguns trocados, naquela tentativa experimental de fazer a gente aprender a lidar com dinheiro.

Eu e minha irmã guardáva-mos as moedinhas nos nossos tubinhos de MMs, às vezes rolava aquele tubinho de vitamina C efervescente também, se você viveu nos anos 90 sabe do que eu tô falando. Até que um dia a gente tinha dinheiro sufuciente pra comprar uma barbie. Minha irmã escolheu algum modelo mais convencional e levou pra casa uma companhia pras bonecas que agente já tinha em casa. E eu .. bem, eu não queria qualquer boneca.

Pra desespero da minha mãe, aquela criancinha taurina de cinco anos queria uma Mullan. Ela sabia que essa história não ia acabar tão cedo e eu também sabia.

A gente demorou muito tempo pra conseguir achar uma Mullan. Na minha cabeça de criança fomos algumas vezes a algumas lojas, mas se bem me conheço, isso deve ter durado algumas semanas de desgraçamento mental pra minha mãe. Não que ela fosse obrigada a comprar, não que ela não pudesse me por limites e acabar logo com aquilo. Mas no fundo a gente sabia que essa história toda de Mullan era sobre esperar e não sobre uma criança mimada desesperada por uma coisa.

Eu sabia a boneca certa que eu queria. Eu não queria outra, eu queria uma Mullan e estava disposta a esperar e procurar por todas as lojas que minha mãe tivesse condições de me levar. E eu encontrei.

Essa é uma metáfora sobre a vida. Sobre os nossos valores e sentimentos mais profundos. É uma metáfora sobre nossos relacionamentos, porque se a gente parar pra pensar, já teve muita Barbie nesse carrinho de supermercado chamado vida, por pura conveniência. Barbie a gente encontra em qualquer lugar e se você tá com dificuldade de se convencer disso, eles te oferecem até uma dúzia de opções diferentes pra você se distrair.

Mas você não quer a Barbie, lembra? Você quer a Mullan e você só tem uma escolha. O que você vai escolher?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Alana Rogge’s story.