O SHOW, O PALCO E A PARTICIPAÇÃO DE TERCEIROS. ONDE ESTÃO OS LIMITES?

Banda Nacional Kid. Créditos: Willian Rossini

Vamos à um exemplo lúdico. A empresa contrata um renomado chefe de cozinha para um jantar. Acontece uma reunião em que se define o perfil do público e o cardápio. Tudo certo até aí. Na semana do evento, a empresa pede que o chefe relacione todos os ingredientes que serão usados, e decide vetar alguns e exigir a substituição de outros. No dia do jantar, é pedida que a ordem dos pratos e a preparação sejam alteradas. Durante a noite, o representante da empresa adentra na cozinha e diz que tem um funcionário que cozinha muito bem (em casa) e que gostaria de participar da preparação de um prato. Ou dois, se o pessoal pedir bis. Antes do término, ainda, um grupo de pessoas invade a cozinha para dançar e bater fotos. Ao final, o representante da empresa comenta que já sabia que o chefe era bom, mas que esperava um pouco mais do jantar.

Na realidade de uma cozinha, esse relato é totalmente absurdo e inimaginável. Existe um limite muito claro de que a interferência do cliente compromete a qualidade do serviço. Já na música ao vivo, a realidade é outra. É esperado que se permita escolha de repertório, participações, invasões de palco e ainda garanta qualidade de show. A menos que o artista/banda seja alguém renomado, a cultura vigente é de total interferência do contratante. O limite para a música é subjetivo.

Agora, sejamos razoáveis: músico não é chefe de cozinha e um bom show não segue uma receita. Ao contrário, ele varia conforme a ocasião. O cliente deve (sim) contribuir com sugestões, pois ele conhece melhor as preferências do público; e o público deve (sim) participar, pois o grande foco é o entretenimento. Até a invasão no palco, a qual este autor não é muito fã, se bem usada, pode ser um recurso positivo. Perceba, todavia, que ainda existe um limite para todas essas interferências. Ao menos, deveria existir. É como diz o provérbio português: “Panela que muitos mexem, ou sai insossa ou salgada”.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.