01/01/18

Hoje o dia acordou melhor, com uma promessa de um ano novo inteiro pela frente.

E o ano só começou assim porque você estava comigo, porque você não foi embora, porque você não desistiu de mim quando eu achei que tudo que as pessoas sabiam fazer era exatamente isso: sumir.

Você fez do meu 2017 um ano muito melhor, você transformou tudo ao meu redor, me mostrou que eu podia ser eu mesma sem medos, sem receios.

Você foi paciente. Você soube me conquistar, bicho.

Logo eu, a muralha da China.

Eu nunca fui de escrever cartas, mas estou indo viajar e vou acabar ficando fora por um bom tempo.

E, bem, você está inseguro.

Eu não te culpo, eu também estaria. Eu estaria morrendo de medo de perder uma das únicas pessoas capazes de me fazer seguir em frente, se fosse o contrário.

Dói pensar que estarei vendo tantas coisas diferentes, conhecendo tantos amigos novos de viagem, tantas comidas que vou comer (hihi) sem você estando lá comigo.

Tudo que eu queria era te colocar numa mala e te levar, porque não vai ter a mesma graça sem você.

Não vai ter o teu sorriso, o teu cheiro, o teu toque. Não vão ter as suas palavras que confortam, que nunca querem machucar.

Que quando me machucam, também me curam.

Mas eu não vou ficar lá pra sempre, eu tenho quem eu quero aqui.

Você é quem eu quero.

Eu volto, tá?

Eu sempre volto.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.