Sobre um coração poroso e a simplicidade

Foto: Thrall Photography

Eu escolhi viver de coração aberto

Um coração verdadeiro, justo, à flor da pele

Porque não há felicidade que se revele

Quando tiramos o amor de perto

Abrir o coração para a vida

É dizer sim ao novo, à mudança

Reencontrando a imaginação da criança

Que dentro de nós habita

Abrir o coração para o incomum

É dizer sim ao diferente, à generosidade

Aceitando com plena humildade

Que dois chegam muito mais longe que um

Abrir o coração para o medo

É dizer sim à dor, a si mesmo

Pensando para dentro e um pouco a esmo

Que em certas feridas, é preciso colocar o dedo

Abrir o coração para o respeito

É dizer sim ao afeto, à inclusão

Lembrando a mais bela emoção

Que mora em todo tipo de peito

Abrir o coração para a gentileza

É dizer sim ao carinho, à empatia

Entoando em silêncio a melodia

Que alegra e dá cor com sutileza

Assim é meu enorme coração!

Amplo, confuso e contente

Transmitindo diariamente

Para o universo, a batida da mais bela canção

No tom da vida.