Direita, esquerda… Volver!

Estamos passando por um momento delicado: a eleição para presidente, na qual dois péssimos candidatos estão concorrendo. Aécio Neves e Dilma Rousseff representam a “mudança” e a extensão do governo Petista por mais 4 anos, respectivamente.

Os eleitores estão praticamente divididos. Alguns votam por mudanças drásticas que seriam promovidas pelo governo do candidato PSDBista, outros querem a manutenção do governo assistencialista, ou da ditadura comunistas segundo a direita, de Dilma Rousseff.

Na verdade, não há problema em votar em Aécio Neves ou em Dilma Rousseff, é direito do cidadão votar em quem ele quiser. O problema está nas motivações: gente que vota em Aécio para não votar em Dilma e gente que vota em Dilma para não votar em Aécio. Outro problema: as justificativas fundamentam-se em acusações, não em planos de governo. Dilma é acusada de ferir a liberdade de imprensa por eleitores de Aécio, mas esses mesmos eleitores não sabem que Aécio cometeu o mesmo erro. Toda manipulação da mídia mineira foi exposta no documentário “Liberdade: essa palavra” (disponível no youtube). Há um tipo de negligência de ambas as partes. Mas não estou aqui para fazer um rol de problemas nos governos do PT e do PSBD. Estou aqui para pedir que leiam e entendam as propostas do seu candidato, seja ele qual for.

Eu, por enquanto, voto em Dilma. Os dados mostram que sua gestão resultou em algo razoavelmente bom. A pobreza diminuiu e o Brasil saiu do mapa global da fome. Quanto a Aécio, tenho sérias restrições. Não vou mencionar quais.

Apesar do governo Petista ter cometido muitos erros, eu posso perceber alguns acertos, suficientes para ganhar meu voto. Quantos aos eleitores de Aécio, peço que reconheçam os erros do candidato e exaltem os pontos positivos do seu plano de governo. Parem de dizer que vivemos em uma ditadura comunista e que desejam mudanças. É um discursos vazio e mentiroso. Sejam honestos. Com vocês, com o plano de governo de Aécio e com os cidadãos brasileiros.

Obrigado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.