Eu tenho proficiência em ser eu

Tudo parece estar indo bem não indo tão bem assim

Sou um homem que oscila. Muito, por sinal. Posso querer agora alguma coisa com a mesma força que farei amanhã para rejeitá-la. É estranho, eu sei. Mas sempre - desde que me entendo por gente - fui assim. O que me move hoje pode me desanimar amanhã.

Comecei a perceber isso ainda mais jovem. Quando eu trocava de interesses em um piscar de olhos. Eu não me apegava a nenhum com vontade. Sou assim até hoje. Agora com relação a aspectos da vida em geral.

Sempre fui questionado por não ter um plano, um mapa que deveria seguir rumo ao futuro. Na verdade, é totalmente o oposto: tenho milhares de planos, mas jamais consegui focar em um. Por esse motivo eu deixo a vida seguir seu rumo, ainda que acredite que ela não é tão piedosa com quem não faz suas próprias escolhas. Mas escolhemos até quando não pretendemos escolher.

Vá aonde tiver que ir mesmo sem saber ir aonde você chegará.

O curso de Biblioteconomia foi resultado da não escolha; o fato de andar duro também (poderia estar formado e com grana); toda a minha vida, de certo modo, é um resultado de escolhas não realizadas. Ou seja, eu meio que escolhi onde cheguei não escolhendo chegar em qualquer outro lugar. Não posso reclamar.

Mesmo assim, se eu sentar e analisar as probabilidades, não foi de todo ruim. Aprendi muitas coisas, conheci pessoas e fiz muitos bons amigos. Cheguei a algum lugar, enfim.

A vida me impulsionou dando um belo chute na minha bunda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.