Dom Quixote lutando contra um “gigante” - o personagem é descrito como alguém que sofre do transtorno de personalidade esquizotípico

O psicopata mora ao lado

Com quantas pessoas você interage todos os dias? Marido, namorada, amigos, pai, mãe, filhos, colegas de trabalho, chefe, atendente do supermercado etc.. A lista pode ser enorme!

Já parou para pensar que neste seu universo de relacionamentos e interações pode existir vários psicopatas? Mas não paramos por aqui, pois tenho outra informação: VOCÊ pode ser um psicopata.

Calma… Não precisa olhar desconfiado para o espelho e nem para as pessoas ao seu redor. Estamos acostumados com aquela definição cinematográfica (ou sensacionalista) de psicopata, mas não é disso que estamos falando.

A Doutora Katia Mecler apresenta no livro Psicopatas do Cotidiano (Casa da Palavra, 2015) os transtornos classificados pela Associação Americana de Psiquiatria e que servem de base para descrever os traços que compõem um determinado estilo de personalidade.

O termo transtorno de personalidade pode parecer pesado, mas a autora explica no início do livro as definições e diferenças entre o transtorno mental e o transtorno de personalidade. Cito dois trechos do livro (páginas 55 e 56):

Os transtornos de personalidade (…) são perturbações mentais, caracterizadas por uma alteração no desenvolvimento da personalidade, decorrentes de falhas na estruturação do caráter (…)
O indivíduo apresenta um padrão comportamental rígido e repetitivo, desde o fim da adolescência ou início da vida adulta, que acarreta na dificuldade nos relacionamentos pessoais, em uma ou mais áreas da sua vida. Não há perda do juízo da realidade, como nas psicoses, nem alternância de fases com ou sem sintomas, como nos casos de ansiedade e depressão.

Ou seja, sabe aquela pessoa com algumas características tão marcantes que você e seus amigos ou colegas a definem como difícil de lidar? Bom… Isso não é um diagnóstico de transtorno de personalidade, mas é um forte indício.

A proposta do livro não é ser um “guia rápido para identificar um psicopata”, mas fornecer orientações sobre como se manifestam os diversos transtornos de personalidade. O diagnóstico deve ser feito somente por profissionais.

A Doutora Katia nos apresenta dez transtornos de personalidade, distribuídos em três grupos:

GRUPO A

Esquizoide: “Não levaria ninguém para uma ilha deserta.”

Algumas características: Prefere atividades solitárias, sem amigos próximos. Demonstra frieza emocional.

Esquizotípico: “No limite.”

Algumas características: Crenças estranhas ou pensamento mágico. Cria um mundo paralelo por não sentir que pertence ao mundo de verdade.

Paranoide: “De olhos bem abertos.”

Algumas características: Suspeita de tudo e de todos. Baixa autoestima.

GRUPO B

Antissocial: “Os fins justificam os meios.”

Algumas características: Tendência à falsidade. Incapacidade de planejar o futuro. Irresponsabilidade reiterada.

Borderline: “Por um fio.”

Algumas características: Relacionamentos interpessoais intensos e instáveis. Instabilidade afetiva. Raiva intensa e difícil de ser controlada.

Histriônico: “Minha vida daria uma novela.”

Algumas características: Discurso grandiloquente, mas carente de detalhes. Dramatização das emoções. Acredita que as relações pessoais são mais íntimas do que de fato são.

Narcisista: “Sabe com quem está falando?”

Algumas características: Crença de ser alguém único e especial. Demanda excessiva por atenção. Tendência a ser explorador nas relações pessoais.

GRUPO C

Dependente: “Por você eu largo tudo.”

Algumas características: Dificuldade para tomar decisões cotidianas. Falta de iniciativa para começar novos projetos ou fazer coisas por conta própria. Raras manifestações de desacordo, para não perder o apoio ou aprovação.

Evitativo: “Na moita.”

Algumas características: Ficam inibidos para conhecer gente nova, por vergonha ou medo do ridículo. Evitam atividades profissionais que incluam contato interpessoal significativo. Acreditam ser socialmente incapazes.

Obsessivo-Compulsivo: “Linha dura.”

Algumas características: Perfeccionismo que atrapalha a conclusão de tarefas. Comportamento rígido e teimoso. Tendência a preferir o trabalho ao lazer.

E aí? Se identificou com algum? :)

Quer mais informações sobre o livro? Acesse o site da Casa da Palavra: http://www.casadapalavra.com.br/livros/627/psicopatas+do+cotidiano

Boa leitura!

crédito da imagem: Don Quixote, por onur bahcivancilar.