Pelo caminho

Nelson, 47 anos. Taxista por formação. Sempre trabalhou pegando passageiros por São Paulo. Jura que se fosse para contar a quilometragem que já rodou, teria ido para o Canadá e voltado. Já teve clientes de todo jeito, desde sorridente a mal humorado, desde enfermo a grávida. Sonha em pegar um famoso. “Pessoa da tevê, já andou no meu táxi. Mas queria mesmo é poder levar o Datena aonde ele ‘queresse’”. Sempre tenta descobrir o que o cliente está pensando ou sentindo. Observando-os pelo espelho. Esses dias pegou uma jovem que se distinguia, porque chorava muito e ao mesmo tempo sorria. Ela era de poucas palavras. Mas Nelson conseguiu ver no olhar que aquele choro era de amor. “Só o amor nos faz sorrir e chorar, ao mesmo tempo. Aquilo lá era amor. Amor dos ‘bão’. Amor que sofre e gosta. Amor que sente. Um verdadeiro amor pra sempre!”

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Anônimos de Costas’s story.