Como tudo começou…

Vamos ao primeiro texto… E aproveito pra avisar, estou usando este espaço para escrever sobre a minha vida, sobre como eu penso, como eu me formei a pessoa que sou hoje. Não estou preocupado em parecer algo que não sou, nem mesmo se alguém vai gostar ou não. Quem sabe isso vira um livro no futuro.

Este primeiro post vou retornar vários anos atrás, quando eu tinha meus 11 anos de idade e estava iniciando a 5ª série do primeiro grau. Hoje tem outro nome, na minha época era deixar de ter um professor que ensinava tudo pra ter um monte de professor ensinando um monte de coisa diferente.

Eu morava em Manhuaçu e minha Tia Zilta — irmã do meu pai, morava em Belo Horizonte. Sempre que ela ia nos visitar levava um presente, em geral algo relacionado com cultura ou educação. Neste ano em especial ela chegou com dois livros. Um para mim e outro para meu irmão. Eu ganhei um livro de capa dura, de cor azul com o nome "Fernão Capelo Gaivota" e meu irmão ganhou "O Pequeno Príncipe". Eu nunca fui muito de leitura, mas este me chamou a atenção. Então eu comecei a ler e imediatamente fui envolvido pela história e mal sabia eu que este livro mudaria a minha vida pra sempre.

Pra quem não conhece, este livro conta a história de uma gaivota que não aceita a condição de vida imposta pelo bando e resolve seguir um sonho de aprender a voar cada vez mais alto e melhor. E mesmo diante de quedas e grandes dificuldades ele não desistiu e conseguiu atingir um outro nível. Chegando um dia a ser reconhecido pelo próprio bando que um dia o expulsou.

Aquelas palavras entraram em mim como uma flecha e acertou o ponto certo. E sempre que eu falo neste livro eu lembro de uma frase que meu pai sempre me disse:

Se tiver certeza que está certo, você não deva abaixar a cabeça nem pra mim.

Então, se você me conhece bem, junte isso com a história do livro e vai entender muita coisa. Quase todos os dias eu lembro deste livro e principalmente da minha Tia Zilta, que infelizmente já não está entre nós mas é imortal na lembrança.

Detalhe interessante: Anos depois tive uma amiga que estava passando por problemas e chegou a pensar em tirar a própria vida. Comprei o livro e mandei de presente e felizmente a leitura a fez mudar de ideia e de vida — então acho que além de me ajudar, pode ajudar outras pessoas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.