Ninguém vence sozinho

Davi saiu do anonimato quando matou o gigante. O feito alçou-o à condição de celebridade, da noite para o dia. Ele passou a frequentar o palácio, tornou-se o melhor amigo do filho do rei e recebeu um posto elevado no exército.

Era a primeira vez que ele tinha homens sobre o seu comando, uma equipe para liderar, e aquilo fazia parte do plano de Deus para a sua vida. Para ele, que até então havia liderado apenas ovelhas, deve ter sido uma mudança e tanto.

Deve ser muito bom você ter homens sobre o seu comando, especialmente no exército. Você lhe diz “faça isto” e ele faz, “faça aquilo” e ele faz, só que obediência nem sempre significa compromisso.

Os homens sob a autoridade de Davi deviam ser bem treinados, o tipo de equipe que qualquer pessoa gostaria de liderar, mas a verdade é que aquela não era a equipe de Davi, era a equipe de Saul.

Davi percebeu isso da pior maneira, quando Saul se voltou contra ele e colocou sua cabeça a prêmio. Então os homens bem treinados, sob o seu comando, se voltaram contra ele.

Naquele dia ele aprendeu uma lição muito importante sobre liderança. Não adianta você ter uma excelente equipe, se ela não estiver comprometida com você, e você só saberá o grau de compromisso de sua equipe no momento da adversidade.

Consta que, quando Davi fugiu da presença do rei, ele se refugiou em uma caverna chamada Adulão. Então juntaram-se a ele todos os que estavam em dificuldades, os endividados e os descontentes; e ele se tornou o líder deles.

Quanta diferença desta, para a primeira equipe de Davi! Uma coisa é você liderar uma equipe pronta, no palácio, outra bem diferente é você liderar um bando de gente frustrada, na caverna.

Na caverna, os recursos são escassos, o dinheiro não alcança e as pessoas são despreparadas, mas é também na caverna que são forjadas as equipes mais comprometidas. Se as pessoas estão do seu lado na caverna, elas ficarão do seu lado em qualquer lugar.

É um grande desafio transformar um bando de pessoas frustradas em uma equipe bem preparada. Por não se dedicarem o suficiente, muitos líderes nunca saem da caverna. Davi teve que deixar de lado as suas próprias frustrações, teve que olhar para além das incapacidades e ver o potencial das pessoas que estavam do seu lado.

Por incrível que pareça, a equipe que entraria com Davi no palácio foi formada em uma caverna. O próprio Davi foi forjado lá. Só que essas coisas tomam tempo, é um longo processo e não acontecem da noite para o dia. É como o crescimento de uma criança, que um belo dia você olha e está diante de um homem formado.

Quando foi que Davi percebeu o poderoso exército que tinha em mãos? Eu gosto de pensar que foi no fatídico dia em que ele teve sede da água de Belém, sua cidade natal. “Quem me dera beber da água da cisterna da porta de Belém!”, pensou ele em voz alta.

Então três dos seus melhores guerreiros atravessaram o acampamento filisteu, tiraram água da cisterna e a trouxeram a Davi. Mas ele se recusou a beber; em vez disso, derramou-a como oferta ao Senhor e disse:

“O Senhor me livre de beber desta água! Seria como beber o sangue dos que arriscaram a vida para trazê-la!” E Davi não bebeu daquela água.

Aqueles homens estavam dispostos a morrer por Davi, porque sabiam que Davi também não hesitaria em morrer por eles. Eles tinham coragem, porque o líder deles era corajoso. Eles tinham fé, porque o líder tinha fé.

Quantas lições sobre liderança Davi não aprendeu pelo caminho? No entanto, as maiores lições ele aprendeu numa caverna.